EQUADOR E BOLIVIA: A POLITICA AMERICANA PARA A AMERICA LATINA CONTINUA SE ENTERRANDO NA SUJEIRA DA BAÍA DOS PORCOS

Bolivia slams US over 'irrefutable evidence' of meddling

Bolívia, Equador acusam a CIA de planos de desestabilização

A Bolívia tem "provas concretas" de que os EUA estão conspirando para desestabilizar a nação latino-americana,  disse o ministro Juan Ramón Quintana. A prova de  "assédio" norte-americano ao governo boliviano será entregue ao presidente Obama, acrescentou.
O governo boliviano está "escrupulosamente seguindo" a atividade dos EUA na Bolívia, o ministro da Presidência da Bolívia, Quintana, disse em uma conferência de imprensa.
"Há tantas evidências a serem entregues ao presidente dos EUA que da para dizer a ele: pare de assediar o governo boliviano, pare de encurralar e emboscando-nos politicamente" Quintana salientou. Ele acrescentou que as investigações sobre o tráfico de drogas e abusos dos direitos humanos iria revelar uma "batalha permanente" travada pelos EUA para impedir o progresso na Bolívia.
"Na ofensiva contra o governo não existem objetivos visíveis ... O que estamos vendo são as maquinações políticas da embaixada dos EUA", que visa a prejudicar a imagem do governo boliviano, Quintana disse.
O embaixador dos EUA foi expulso, em 2008, após ser acusado de conspirar contra o governo boliviano do presidente Evo Morales. Os EUA rapidamente seguiu o exemplo, com a remoção do embaixador boliviano.
Um Charge d´affaires agora lidera a embaixada americana em La Paz, ambos os países assinaram um acordo em 2011, que abriria o caminho para o restabelecimento dos embaixadores. No entanto, as relações diplomáticas entre os dois países ainda têm muito para ser normalizada.

Um relatório condenatório liberado pelo governo americano no ano passado classificando a Bolívia, junto com Venezuela e Birmânia, como 
"comprovadamente não aderiram, durante os 12 meses anteriores, a suas obrigações sob os acordos internacionais antinarcóticos".
O presidente Morales negou os resultados, acusando os EUA de hipocrisia e chamando o comércio de drogas ilícitas da América Latina com os EUA de o "melhor negócio".








A pedra no sapato de os EUA



Bolívia tem sido uma pedra no sapato dos EUA "por causa de suas políticas anti-neoliberais e anti-imperialista, iniciada pelo presidente Evo Morales, os EUA também não poderia permitir desafios para as suas políticas no coração da América Latina", o ministro Quintana disse em uma entrevista com a rádio estatal estação de El Pueblo.
"O que temos lutado contra desde 2006 e que vamos continuar a lutar é uma guerra contra o progresso da Bolívia", disse ele, acrescentando que o objetivo político dos EUA estavam a desmantelar o "processo de rebelião" por qualquer meio necessário.
Bolívia é atualmente liderada por Evo Morales, o primeiro líder indígena do país, que é um aliado muito próximo ao presidente venezuelano Hugo Chávez e do presidente equatoriano Rafael Correa. Os três líderes tem sido muitas vezes críticos do que eles acusam como os EUA ultrapassando a sua autoridade na América Latina.
O presidente equatoriano, Correa, falou no fim de semana, expressando preocupações de uma conspiração da CIA para removê-lo durante os preparativos para as eleições governamentais em fevereiro. Ele citou um relatório escrito por um jornalista chileno, que descreveu um enredo EUA alegado para desestabilizar a região.

Postar um comentário