PROBLEMAS MEDICOS LEVAM ASSANGE A PLANEJAR SAIDA DA INGLATERRA

Assange afirma que vai, em breve, sair
da Embaixada do Equador em Londres.


Julian Assange, que está há mais de dois anos refugiado na Embaixada do Equador em Londres para evitar sua extradição para a Suécia, afirmou, na manhã desta segunda-feira, que sairá “em breve” do local. 
Ele, no entanto, não esclareceu o prazo a que se referiu com a expressão “em breve” nem em que condições sairia: se vai se entregar às autoridades britânicas, se fugirá às escondidas ou se sua saída será resultado de algum acordo com as autoridades britânicas para poder abandonar o país sem ser extraditado.
O fundador do Wikileaks pareceu dar a entender que não pensa em se entregar quando explicou que espera sair logo, mas “talvez não pelos motivos que estão dizendo os jornais de Murdoch e a Sky neste momento”. A rede de TV Sky afirmou, nesta segunda, que Assange sairia da embaixada por motivos de saúde, um anúncio que pareceu ser uma conclusão de um de seus analistas, após uma entrevista muito pessimista de Assange publicada no fim de semana.
Pouco depois, Assange deu uma entrevista coletiva na Embaixada, ao lado do ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño. Em suas declarações, o fundador do Wikileaks enfatizou principalmente os problemas de saúde que o afetam por causa de sua reclusão, particularmente aqueles causados pela falta de exposição direta ao sol. Na entrevista publicada no domingo pelo The Mail on Sunday, Assange disse que os mais de dois anos que passou fechado no interior da Embaixada provocaram nele arritmia cardíaca, hipertensão e problemas pulmonares.
Na entrevista coletiva, Assange mencionou esses problemas e voltou a reclamar que já soma quatro anos sem liberdade, sendo mais de dois deles na Embaixada, apesar de nunca ter sido acusado de nada. 
As autoridades judiciais da Suécia querem que Assange seja enviado ao país para interrogá-lo e decidir se o acusam formalmente ou não por vários crimes de abuso sexual supostamente cometidos em agosto de 2010, dos quais é acusado por duas mulheres, entre eles um possível estupro.
Assange fugiu da Suécia para Londres no mesmo dia em que seria interrogado pela promotoria sueca.
Ele está refugiado na Embaixada do Equador em Londres desde 19 de junho de 2012 para evitar ser extraditado para a Suécia, alegando que as autoridades daquele país poderiam, posteriormente, extraditá-lo para os Estados Unidos.
Nesta manhã, o ministro Patiño acusou o Governo britânico de não querer encontrar uma solução diplomática para a situação de Assange.
Postar um comentário