NORTEAMERICANOS INVADIRIAM OS AÇOURES SOMENTE DEPOIS DO ASSASSINATO DE MÁRIO SOARES

             Kissinger PENSOU que OS              comunistas iRIam matar
                   Mário Soares


Henry Kissinger, ex-secretário de Estado norte-americano, previu e errou que "os comunistas" iam matar, em 1975, Mário Soares, líder histórico do PS e ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Os comunistas vão arrastar Soares para a esquerda até ele perder apoio e depois vão matá-lo. As forças armadas vão fazer um golpe de estado sob liderança dos comunistas", afirmou Kissinger numa reunião, a 04 de fevereiro de 1975, do Comité dos 40, organismo para supervisionar operações clandestinas e que incluía os serviços secretos, a CIA.

Henry Kissinger era um crítico de Mário Soares, considerando-o fraco e, em outubro de 1974, chegou a dizer-lhe que seria o "Kerensky português"[1] o dirigente socialista russo derrotado por Lenine na revolução russa de 1917. 

Anos mais tarde, já depois do fim do período revolucionário, em finais de 1975, também numa reunião em Washington, admitiu o erro quanto a Mário Soares, que, na democracia portuguesa, foi primeiro-ministro de vários governos e Presidente da República (1986-1996). 

Esta revelação é feita, 40 anos após o 25 de Abril de 1974, em documentos do Departamento de Estado até agora considerados "secretos" e publicados no volume do departamento histórico do Departamento de Estado sobre a política externa norte-americana, referente aos anos de 1969-1977 (Foreign Relations of the United States -- Volume E-15, part II).

Pentágono tinha Plano de Contingência para "invadir" dos Açores em 1975.


Um elemento da situação que foi especialmente preocupante para os formuladores de políticas dos EUA era o controle dos Açores. Durante anos, o governo português tinha fornecido o acesso ao campo de pouso de Lajes , que se mostrou vital durante a outubro 1973 Guerra Árabe-Israelense, pois facilitou o trânsito de aviões dos EUA transportando suprimentos militares para Israel (outros aliados da NATO não colaboraram). 



O acordo básico com Portugal terminou em 1974, enquanto que as negociações tinham parado, no entanto, de Lisboa continuou a fornecer acesso a Lajes. Enquanto isso, alguns açorianos estavam interessados ​​em uma maior autonomia política, possivelmente, até mesmo tomando o caminho da independência, assim como outros territórios ultramarinos portugueses, tais como Angola, Moçambique e Guiné-Bissau. Enquanto alguns ricos americanos de ascendência portuguesa  (muitos dos Açores) apoiavam a independência, segundo Kissinger, posição dos Estados Unidos foi uma de "estrita neutralidade." A implementação do plano de contingência do Pentágono pelos EUA poderia ser feita e acabar rapidamente sua "estrita neutralidade", se escolhessem faze-lo.


Os detalhes do plano de contingência não são disponíveis, mas são presumivelmente em arquivos mantidos pelo Pentágono. De qualquer maneira, as preocupações que informaram o planejamento dos Açores mostrou-se exagerada, porque Mario Soares e os socialistas tinham mais poder e muito mais competência política do que Kissinger havia imaginado. Eleições nacionais na primavera de 1976 faria Soares primeiro-ministro. Poucos meses antes das eleições, Kissinger disse a Soares que "o que você fez me surpreendeu. Devo admitir isso. Eu freqüentemente não cometo erros de julgamento ".




FONTES
[1] Memorandum of conversation, “Secretary Kissinger and President Coast Gomes of Portugal,” 18 October 1974, Digital National Security Archive (DNSA). For Kissinger’s reaction to the Portuguese situation, see, for example, the interviews with Warren Zimmerman, 10 December 196l and Wesley Egan, 28 October 2003, in the Foreign Affairs Oral History Collection of the Association for Diplomatic Studies and Training http://memory.loc.gov/ammem/collections/diplomacy/index.html.

[2] Memorandum of conversation, “The Secretary’s Meeting with Mario Soares,” 26 January 1976. DNSA.
Postar um comentário