DEU NA FOX NEWS: VIVA DILMA - A INCORRUPTÍVEL!

Has Dilma Rousseff Found the Anti-Corruption Formula for Latin America? By  -Fox News

DILMA ROUSSEF ENCONTRA A FÓRMULA  ANTICORRUPÇÃO PARA A AMERICA LATINA


Fiquei bastante impressionado quando soube que a presidente brasileiro, Dilma Rousseff concluiu seu primeiro ano no governo com um índice de aprovação superior ao de seu antecessor, o carismático Lula da Silva. Sua popularidade é atualmente perto de 75 por cento. Aprovação de seu governo é a 59 por cento, o que é ainda melhor do que o de 51 por cento Lula teve quando terminou seus primeiros 12 meses no cargo. Eu acredito que este é um resultado de sua imagem de ser intolerante com a corrupção e fornecer a gestão económica saudável em tempos de crise global. 

Deixando a economia de lado, é interessante olhar para a percepção pública da postura firme de Dilma contra a corrupção. Ao invés de ser negativamente afetado pelo fato de que ela estava cercada por corruptos servidores públicos titulares, alguns nos mais altos cargos em seu gabinete, o público parece recompensá-la para separar-se deles, logo que alegações vieram à luz. No espaço de apenas seis meses, seis ministros perderam seus empregos em meio a vários escândalos de corrupção.
No entanto, seu impulso para a luta contra a corrupção não acaba com essas ações de grande visibilidade. Presidente Dilma Rousseff sancionou um projeto de lei liberdade de informação que consagra o direito das pessoas na Constituição do país. Através desta medida os cidadãos podem saber como seu governo trabalha e gasta o dinheiro dos impostos.

Rousseff também é a co-líder da Parceria Governo Aberto, juntamente com presidente dos EUA, Obama, pressionando o Brasil a ser o precursor em compromissos de transparência. Estes incluem o aumento da disponibilidade de informações do governo, incentivando a participação pública, a implementação dos mais elevados padrões de integridade profissional em toda a administração, e abertura do acesso às novas tecnologias para prestação de contas.
Assim, Dilma Rousseff combina uma atitude de tolerância zero em relação a autoridades corruptas com reformas estruturais e políticas mais de longo prazo. Esta abordagem tem o potencial de ser uma fórmula vencedora, uma vez que se traduz em um governo mais aberto, inclusivo, democratico e moderno, e ao mesmo tempo dá a políticos do PT popularidade e respeito. Políticos que combatem a corrupção apenas em um nível tendem a apresentar resultados ruins e deixar seus cidadãos para baixo.
A maioria das eleições que tiveram lugar na América Latina há décadas apresentam um discurso anti-corrupção forte durante as campanhas. Vicente Fox, no México, Alejandro Toledo no Peru, Enrique Bolaños na Nicarágua, para citar apenas alguns, comprometeram-se a lutar contra a corrupção antes de tomar posse. Como resultado, as expectativas dos eleitores eram altas, especialmente porque muitos desses países estavam sofrendo de um ambiente extremamente corrupto.
Independentemente de saber se as promessas políticas feitas durante as campanhas eram sinceras ou não, o que esses políticos acabaram criando foi uma fórmula de perda: eles criaram expectativas no públicas mas muito pouco foi entregue. Um dos seus erros foi que eles não diversificaram como Dilma as suas estratégias.
O presidente Fox no México promoveu reformas estruturais, mas não tomou medidas nenhuma contra as 
autoridades corruptas. Na Nicarágua, Bolaños corajosamente foi atrás de seu ex-chefe, presidente Arnoldo Alemán. Isso o tornou popular por alguns meses, mas ele ainda não conseguiu se mover com a mesma velocidade e determinação sobre as reformas a longo prazo.
Da mesma forma, Toledo no Peru não aproveitou após a queda de ex-presidente Alberto Fujimori, como um importante empurrão anti-corrupção, suas políticas e planos foram estruturalmente fraco. Depois de alguns anos sem resultados tangíveis, os eleitores se sentem desiludidos e os políticos decidem se afastar da agenda anti-corrupção por que parece fornecer uma grande quantidade de trabalho, e cria-lhes um monte de inimigos dentro da estrutura política, e, em termos políticos, eles não recebem retorno para seu "investimento".

A presidente Dilma Rousseff parece ter aprendido com essas experiências. Ela evitou promessas grandiosas durante a sua campanha eleitoral. Agora, no posto, ela está punindo todos os corruptos, bem como promove as principais reformas estruturais e melhores políticas de longo prazo. É claro, ainda há grandes desafios pela frente e que temos visto nos últimos meses é apenas um começo, mas até agora ela está dando um exemplo encorajador para outros políticos da região.

2012: Um ano de Eleições na América Latina
Incluindo o México, a outra grande economia na região. 


Políticos em disputas devem ter um olho para o que a presidente Dilma Rousseff está fazendo e começarem a receber inspiração de sua fórmula. O combate à corrupção prevê incentivos políticos e é acolhido pela população. Portanto;
 Políticos, não se acanhem, sigam Dilma!
Postar um comentário