CNBB repudia Panfletos Caluniadores apreendidos em Grafica ligada ao PSDB

 Polícia Federal apreende panfletos contra campanha de Dilma

O episódio foi reprovado em nota por bispos da CNBB e pela militância que fez vigília durante toda a noite em frente à gráfica
 Depois de mais de 24 horas, terminou por volta das 14h deste domingo (17/10) a ação de busca e apreensão dos panfletos ilegais contra a campanha da candidata Dilma Rousseff, encontrados no final da manhã de sábado na gráfica Pana, no bairro de Cambuci, em São Paulo.
O material, intitulado "Apelo a todos os brasileiros e brasileiras", recomenda num dos trechos “que nas próximas eleições os eleitores deem seus votos somente a candidatos ou candidatas de partidos contrários à descriminalização do aborto.” Atribuído à Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), os exemplares foram recolhidos por agentes federais e transportados num caminhão para o depósito da Superintendência da Polícia Federal, na Lapa.
Para evitar que o material fosse retirado da gráfica até que o Tribunal Superior Eleitoral julgasse o pedido de busca e apreensão feito pela campanha de Dilma, militantes realizaram vigília no local, desde às 14h do sábado.
Os deputados Paulo Teixeira (Federal), Rui Falcão (Estadual e vice-presidente do PT Nacional), Adriano Diogo (Estadual), além da vereadora Juliana Cardoso e do vereador e presidente do Diretório Municipal do PT, Antonio Donato aguardavam junto com militantes e simpatizantes no local.
Tuites informando o local da vigília, telefonemas, notas em blogs e muita energia atraíram durante as 24 horas simpatizantes da presidenciável e militantes que se juntaram à mobilização para garantir a preservação dos impressos no local onde foram encontrados. 

O vice-presidente do Diretório Nacional do PT e deputado estadual, Rui Falcão, parabenizou a resposta vigorosa da militância. “Tem que ser apurado quem está pagando a impressão de milhões de panfletos com o claro objetivo de atingir a nossa candidata Dilma. É inaceitável que o dinheiro da Diocese de Guarulhos, portanto, dos católicos, seja utilizado com a finalidade eleitoral", cobrou o presidente do Diretório Estadual do PT-SP e deputado estadual eleito, Edinho Silva, que também esteve na mobilização durante a noite.
Por volta das 6h30 de domingo, a gráfica foi aberta, com a ajuda de um chaveiro, para a investigação dos agentes da Polícia Federal. A Polícia Militar ficou do lado de fora da gráfica e o acesso de parlamentares também não foi permitido.
Mais tarde, chegaram Paulo Ogawa e Alexandre Takeshi Ogawa, proprietários da gráfica, e alguns funcionários para acompanhar a diligência.

Material ilegal
O Diretório Estadual do PT de São Paulo recebeu no sábado (16) um telefonema anônimo denunciando a existência de milhões de impressos contra a candidata do PT à Presidência da República Dilma Rousseff, assinado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – Regional Sul 1, numa gráfica do Cambuci, que seriam distribuídos nas igrejas.
Adolfo Fernandez, militante do Diretório Zonal do PT de Vila Mariana, esteve na gráfica e confirmou a presença do material. A partir daí, vários militantes se dirigiram para manter o local inalterado, enquanto os advogados da Campanha de Dilma Rousseff entraram com duas representações junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em razão do ilícito apontado no conteúdo do material, que fere a legislação eleitoral, ainda na noite de sábado o TSE expediu mandado de busca e apreensão dos folhetos.

Gráfica que produziu panfletos contra Dilma é ligada ao PSDB



A gráfica onde foram apreendidos mais de um milhão de folhetos panfletos religiosos que relacionam a presidenciável Dilma Rousseff (PT) à defesa da descriminalização do aborto pertence à irmã do coordenador de infraestrutura da campanha de José Serra (PSDB), Sérgio Kobayashi. As informações são do jornal “Folha de S.Paulo”.Segundo a publicação, Arlety Satiko Kobayashi é dona de 50% da Editora Gráfica Pana Ltda, localizada no bairro do Cambuci, em São Paulo. A empresária é filiada ao PSDB desde março de 1991.Os panfletos foram apreendidos nesse domingo pela Polícia Federal, a pedido do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os policiais chegaram ao local por volta das 6h da manhã e lá permaneceram até às 15h. Durante a madrugada, cerca de 40 militantes do PT faziam plantão em frente à gráfica para aguardar o início da ação.De acordo com o jornal, Sérgio Kobayashi afirmou que o fato de a gráfica Pana ter sua irmã como sócia é uma “coincidência”. Já a assessoria da campanha de Serra negou qualquer relação entre o tucano e a produção do material.O panfleto é intitulado "Apelo a todos os brasileiros e brasileiras" e assinado por bispos da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), que negaram em nota patrocinar a impressão e a distribuição de folhetos relacionados a candidatos.

http://namarianews.blogspot.com/2010/10/os-panfletos-mentirosos-da-cnbb-e-suas.html#ixzz12iosbSpk 
Coisas pavorosas.
A desgraça dos panfletos contra a Dilma, que "supostamente" bispos da CNBB mandaram imprimir na Gráfica Pana, no Cambuci, tem em documento de encomenda/fatura o e-mail de um senhor chamado "kelmon.luis@theotokianos.org.br" (Kelmon Luis da S. Souza). Vide imagem.


Ora, trata-se e-mail da Associação Theotokos, da qual o Sr. Kelmon é o presidente.

Pelo RegistroBR sabe-se que o site está em nome da Casa de Plínio Salgado.
Plinio Salgado foi expoente da Ação Integralista movimentos inspirado no Nazismo.
Kelmon é integrado à Frente Monarquista
CNBB desaprovou folheto
Ainda na noite de sábado (16) ao tomarem conhecimento dos panfletos contra a campanha de Dilma, os bispos da Regional Sul 1 da CNBB (estado de São Paulo) divulgaram esclarecimento em relação às eleições.
De acordo com o vereador Toninho Kalunga (PT-Cotia), que esteve em Itaici, onde os bispos estavam reunidos até este domingo (17), a notícia foi recebida pelo episcopado com perplexidade. Segundo o parlamentar, a reprovação ao documento encontrado na gráfica refere-se à manipulação que teria havido para assinatura de um documento que não corresponde ao que foi deliberado pela CNBB, em junho.

Segue abaixo a íntegra da nota da CNBB, divulgada no último sábado (16/10):

DECLARAÇÃO SOBRE AS ELEIÇÕES


Os bispos católicos do Regional Sul 1 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), do Estado de São Paulo, em sintonia com a DECLARAÇÃO SOBRE O MOMENTO POLITICO NACIONAL, da 48ª Assembleia Geral da Conferência (Brasília, maio de 2010), esclarecem que não indicam nem vetam candidatos ou partidos e respeitam a decisão livre e autônoma de cada eleitor.

O Regional Sul 1 da CNBB desaprova a instrumentalização de suas Declarações e Notas e enfatiza que não patrocina a impressão e a difusão de folhetos a favor ou contra candidatos.

Reafirma, outrossim, as orientações quanto a critérios e princípios gerais a serem levados em conta no discernimento sobre o momento político, já oferecidos pela 73ª Assembleia Geral do Regional Sul 1 (Aparecida, junho de 2010), expressos na Nota VOTAR BEM.

Recomenda, enfim, a análise serena e objetiva das propostas de partidos e candidatos, para que as eleições consolidem o processo democrático, o pleno respeito aos direitos humanos, a justiça social, a solidariedade e a paz entre todos os brasileiros.

Indaiatuba (Itaici), SP, 16 de outubro de 2010.

Dom Nelson Westrupp

Presidente do Conselho Episcopal Regional Sul 1

e Bispos do Regional Sul 1
 
Postar um comentário