DEU NA AUSTRÁLIA: A Agricultura Brasileira vai bombar ainda mais!


Brazil unveils $US 57bi agricultural loan - by Australian News Channel
57 BILHÕES DE DÓLARES
PARA A AGRICULTURA


Presidenta do Brasil Dilma Rousseff acaba de lançar um programa de empréstimo de 115 bilhões de reais ($ 56.72 bilhões), que visa o reforço do papel da agricultura como alavanca do crescimento econômico brasileiro.
Dilma definiu o plano para a temporada 2012-2013 como "uma nova ferramenta contra a crise global", que irá apoiar os esforços do governo para criar emprego e mitigar os efeitos da crise econômica no exterior.
"Este plano vai mostrar que o Brasil é um dos poucos países que podem criar novos empregos em meio à crise da dívida soberana muito sério que afeta o mundo", disse ela durante a cerimônia no palácio presidencial do Planalto, descrevendo a agricultura como um setor estratégico.
Enquanto o Brasil aumentou sua produção e
investimentos em agricultura, a Austrália reduziu sua previsão de produção de trigo de inverno por mais de 7 por cento, aumentando as preocupações de abastecimento global e impulsionando os futuros nas bolsas dos EUA.  Após o anúncio de Dilma de 57 bilhões, a administração Obama anunciou seu compromisso de investir mais de US $ 2 bilhões em Pequenas Empresas Rurais, perfazendo um total de 32 bilhões de dólares em investimentos agrícolas, menos da metade do que o Brasil está prometendo.
Rousseff disse que os empréstimos públicos e privados, que representam um aumento de 7,5 por cento durante a temporada 2011-12, vai estimular o aumento da produtividade, salvaguardando os ecossistemas protegidos, porque "o crescimento não é e não pode ser incompatível com a preservação ambiental". "Posso dizer com orgulho que o Brasil é um país que produz, expande sua produção, utiliza tecnologia e fá-lo com pleno respeito ao meio ambiente", disse Dilma, acrescentando que o novo plano será guiado pelo preceito de "vida e natureza respeitada".
Ministro da Agricultura de Dilma disse que cerca de 60 por cento dos fundos do plano seriam destinados a financiar programas para melhorar as cadeias de distribuição e produtos de mercado.
Atenção especial será dada à agricultura familiar, que responde atualmente por cerca de 70 por cento da produção alimentar do país.
Os juros sobre os empréstimos, entretanto, vão cair para 6,5% para 5,5% em 2012-13. Os planos do governo têm recebido o apoio da Confederação Nacional da Agricultura, cujo presidente, Kátia Abreu, disse que a iniciativa irá fortalecer o papel do Brasil como um celeiro chave global.

"Nossos mercados são China, Europa e em muitos outros países onde o Brasil será capaz de vender sua produção sem deixar de atender à demanda doméstica", Abreu disse na cerimônia, acrescentando que em 2050 "a maioria dos países do mundo será a comida brasileira que se consome" .
Postar um comentário