DEU NO NEW YORK TIMES: EUA NÃO É UM PAÍS MORALMENTE CREDENCIADO PARA LIDERAR O MUNDO - Jimmy Carter

Por Jimmy Carter The New York Times , traduzido por Forumzn
Jimmy Carter:Um registro cruel e incomum
Os Estados Unidos estão abandonando seu papel de defensor dos direitos humanos

As revelações de que altos funcionários estão envolvidos no assassinato de pessoas no exterior, incluindo cidadãos norte-americanos, são apenas o mais recente evidência de quão longe é preocupante violação de direitos humanos do nosso país e como esta prática generalizada.  Isto começou após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e foi validado e intensificada pelos executivos de ambas as partes e ações legislativas, sem grande oposição do público em geral. Como resultado, nosso país não tem nenhuma autoridade moral sobre essas questões críticas.
Embora o país tenha cometido erros no passado, o desrespeito generalizado dos direitos humanos durante a última década foi uma mudança dramática. Sob a liderança dos Estados Unidos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada em 1948 como "o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo." Este foi um compromisso corajoso e claro para os poderes contidos tentando empurrar ou ferir as pessoas, e estabeleceu a igualdade dos direitos de todos à vida, liberdade, segurança, proteção igual perante a lei exílio e limitado a tortura, detenção arbitrária ou forçada.
A Declaração foi invocado por ativistas de direitos humanos e da comunidade internacional. É preocupante que, em vez de reforçar esses princípios, as políticas de nosso governo contra o terrorismo são claramente violando pelo menos 10 dos 30 artigos da declaração, incluindo a proibição de "tratamento cruel, desumano ou degradante".
A legislação recente deu o direito legal de o Presidente indefinidamente deter uma pessoa suspeita de ligação com organizações terroristas ou forças "associadas", um poder muito amplo e vago que pode ser abusado sem supervisão significativa dos tribunais ou Congresso (a lei está sendo bloqueada por um juiz federal). Esta lei viola o direito à liberdade de expressão e à presunção de inocência até prova em contrário, dois outros direitos consagrados na Declaração.
Além de cidadãos norte-americanos mortos ou de detenção por tempo indeterminado, as leis recentes têm cancelado as restrições da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira de 1978 e permitir violações sem precedentes de nossos direitos à privacidade por meio de coleta de dados e faixas sem mandado e da violação por parte do governo, as nossas comunicações electrónicas. A lei estadual permite prender pessoas por sua aparência, cultos ou práticas associadas com outros indivíduo.
Junto com a regra arbitrária que permite o assassinato de um indivíduo por aeronaves não tripuladas, previamente declarado como um inimigo terrorista, as mulheres dirigem e os filhos e isso é aceito como inevitável. Depois de mais de 30 ataques aéreos a casas de civis no Afeganistão este ano, o presidente Hamid Karzai exigiu um fim a esses ataques, mas a prática continua em áreas do Paquistão, Somália e Iêmen, que não são declarados territórios guerra. Não sei quantas centenas de civis inocentes morreram nesses ataques, cada um aprovado pelas mais altas autoridades em Washington. Isso teria sido impensável em tempos anteriores.
Estas políticas afectam claramente política externa dos EUA. Da inteligência e oficiais militares e defensores dos direitos humanos em áreas atacadas, dizem que o zangão escalada prejudicada incentivar as famílias a identificar-se com organizações terroristas, têm despertado sentimentos da população civil contra nós e permite que governos repressivos tais ações citam para justificar seu próprio comportamento despótico.
Enquanto isso, mantendo o centro de detenção de Guantanamo Bay, Cuba, hoje abriga 169 detentos. Cerca de metade garante a sua libertação, no entanto, têm pouca chance de algum dia obter sua liberdade. Autoridades norte-americanas revelaram que, a fim de obter confissões, alguns foram torturados com técnicas como a simulação de afogamento em mais de 100 vezes ou intimidados com armas semi-automáticas, brocas e ameaças de agressão sexual. Surpreendentemente, esses fatos não podem ser usados ​​como uma defesa pelo acusado, porque as alegações do governo que ocorreram sob a "segurança nacional". A maior parte dos outros presos não têm possibilidade de ser acusado ou julgado também.
Numa época em que revoluções populares estão varrendo o mundo, os Estados Unidos devem reforçar, não enfraquecer, as regras básicas de direito e os princípios de justiça enumerados na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Mas em vez de fazer um mundo mais seguro, os Estados Unidos viola os direitos humanos mais universal, que incentiva os nossos inimigos e nossos amigos de distância.
Como cidadãos interessados, nós devemos persuadi Washington que deve mudar de rumo e recuperar a liderança moral de acordo com normas internacionais de direitos humanos haviam adotado oficialmente como seu próprio e cuidar por anos.  Jimmy Carter foi presidente número 39 em os EUA, é o fundador do Centro Carter e recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2002.

Este artigo de opinião publicado em The New York Times em 25 junho de 2012, na página A19.
Postar um comentário