DEU NO NEW YORK TIMES: WE LOVE BRAZILIANS!

Cristiano Piquet, center, showed a Miami Beach condominium
this month to a potential buyer from Brazil
Miami tem um caloroso 
HELLO! para brasileiros

MIAMI -  Mesmo em uma cidade que tem abraçado tantas ondas de latinos, que é tom de brincadeira referida como a única capital sul-americana na América do Norte, nenhum grupo foi tão cortejado e paparicado como os brasileiros.
Cheios de dinheiro de uma economia florescente e apaixonado por luxo, os brasileiros estão visitando o sul da Flórida em massa e gastando milhões de dólares em condomínios de férias, roupas, jóias, móveis, carros e arte, os quais são muito mais baratos aqui do que no Brasil.  Como agradecimento, os floridianos estão criando formas inovadoras de fazer os brasileiros felizes e encorajá-los a manter mergulhando em suas carteiras

Agentes imobiliários, por exemplo, têm improvisado balcão único decompras que oferecem serviços de decoração de interiores e de "concierge", bem como aconselhamento jurídico e ajuda de visto. Alguns agentes chegaram a abriu escritórios no Brasil, para simplificar o processo. Consciente de que os brasileiros não vão gastar livremente a menos que eles se sintam em casa, shopping centers têm seduzido os contratando funcionários de vendas fluentes em língua portuguêsa para oferecer vestidos Dolce & Gabbana e relógios Hublot. 
Até mesmo a loja Target colocou sinais  Help Wanted em Português.
Restaurantes brasileiros também estão florescendo em Miami, incluindo uma cadeia populares do Brasil - Giraffas - que inclui pão de queijo brasileiro e cortes especiais de carne no menu. "Hola" e beijos de ar ainda são grampos aqui, mas o "Oi" - uma saudação do Brasil - está começando a tomar conta. "Chegamos a Miami para investir, porque no meu país o setor de habitação é muito caro", disse Claudio Coppola Di Todaro, um investidor de fundos de hedge a partir de São Paulo que recentemente comprou um condomínio nas Torres Trump em Sunny Isles Beach e outro no SoHo, em Manhattan Trump (Os brasileiros também amam Nova York). "Nós gostamos de Miami para ir de férias algumas vezes por ano. Muitos brasileiros fazem isso agora".
Reflexo das Politicas
econômicas dos BRICs
Enquanto os Estados Unidos e Europa continuam a lidar com a recessão, a economia do Brasil galopa para a frente, impulsionada pelas exportações, por uma base de produção industrial crescente e recursos naturais abundantes.
O desemprego em outubro foi de 5,8 por cento, e o Brasil passou a Grã-Bretanha para se tornar a sexta maior economia do mundo. 

Conscientes das marcas, turistas brasileiros gostam de gastar seu dinheiro - dinheiro vivo, acima de tudo - Per capita, no primeiro escalão nos gastos entre os 10 melhores grupos de visitantes estrangeiros aos Estados Unidos, uma lista que inclui os franceses, britânicos e alemães. Ao todo, 1,2 milhão de brasileiros visitaram em 2010 e gastaram US $ 5,9 bilhões, ou seja, $ 4.940 para cada visitante. Somente outros membros do BRIC, Índia e da China, gastaram mais do que os brasileiros, mas eles visitam muito os EUA com muito menos frequência e não entre os top 10.

O Departamento de Comércio espera que o número total de visitantes brasileiros será ainda maior em 2012. Seu impacto econômico é tão poderoso que as indústrias de viagens, restaurante, alojamento e varejo, juntamente com a Câmara de Comércio dos EUA, têm feito lobby em Washington para permitir que os brasileiros viajam para cá sem vistos, como os cidadãos dos países da União Europeia fazem. Em novembro, o Departamento de Estado concordou em adicionar mais funcionários consulares para acelerar o processo de vistos.
A American Airlines agora tem 52 voos por semana para Miami a partir de cinco cidades no Brasil, e faz a aplicação de pedido por mais rotas. Porque recebe o maior número de visitantes do Brasil, a Flórida foi a que mais se beneficiou com a nova riqueza do país e a expansão da sua classe média. 
A maioria dos brasileiros que vêm para os Estados Unidos visitar a Flórida, e nos primeiros nove meses deste ano, cerca de 1,1 milhões de brasileiros gastaram US $ 1,6 bilhão no estado, um aumento de quase 60 por cento face ao ano anterior.
BRASIL TEM VANTAGENS SOBRE OUTRAS NAÇÕES
Entre todas as outras nações estrangeiras, apenas o Canadá envia mais visitantes para a Flórida. O dinheiro dos brasileiros tem ajudado a ressuscitar o mercado imobiliário em Miami. Estrangeiros representam mais da metade de todas as vendas de bens em Miami, e as coberturas de prédios de condomínio que antes ficavam vazias são rapidamente sendo vendidas para o exterior.
 "Os brasileiros, em diversos aspectos, têm sido a graça salvadora aqui", disse Edgardo Defortuna, presidente da Fortune International Realty, que tem escritórios no Brasil e Miami. "Para eles, o preço não é um grande problema."
Ávidos para fazer compras e gastar o tempo com amigos e familiares, em grupo, os brasileiros costumam comprar condomínios no mesmo edifício, como o W, em South Beach. "Em Miami, eles podem vir aqui e usar relógios caros e dirigir seus carros conversíveis, e ninguém vai cortar o seu braço por uma peça de joalheria, como acontece em casa", disse Alexandre Piquet, um advogado brasileiro da Piquet Realty, que foi fundada por seu irmão, Cristiano, um conhecido piloto de corridas. "Aqui não temos que se preocupar com crianças atravessando a rua, um problema que enfrentamos lá em baixo". Cristiano Piquet disse que alguns apartamentos vendidos vêm totalmente mobilados pela Artefacto, um proeminente designer de móveis brasileiros. 
Se os brasileiros precisam de ajuda com negócios jurídicos, questões de natureza fiscal ou o conselho de imigração, as imobiliárias em Miami oferecem isso também. Se um brasileiro quer uma Ferrari, a imobiliária manda buscar. Como tantas empresas no sul da Flórida, a empresa mais bem sucedidas de forma agressiva se promovem no Brasil, assim como o conselho de turismo de Miami e o governador Rick Scott, da Flórida, que viajaram para o Brasil em 2011 em uma missão comercial.
Agora, Orlando está tentando atrair os brasileiros, que preferem fazer compras que ir a parques temáticos da cidade. Pegasus Transporte opera roteiros de compras regular, trazendo milhares de brasileiros para os shoppings. O Outlet Tommy Hilfiger e a loja HH Gregg eletrônicos abre mais cedo só para brasileiros. "Eles estão comprando tudo o que se possa imaginar", disse a vice-presidente da Pegasus. "Os laptops, máquinas fotográficas, roupas de marca - lotes de Prada e Louis Vuitton." Este entusiasmo pela disseminação dinheiro é a principal razão pela qual a batalha pelo fim dos vistos está começando a ter ressonância no Capitol Hill.
EUA apostam no turismo para criar emprego
O presidente dos EUA, Barak Obama, apresentou na Disney World de Orlando, na Florida, um plano para impulsionar o turismo no país, através do qual se pretende fomentar também a criação de emprego. Países emergentes como a China ou o Brasil são agora prioritários para os EUA, com Obama a garantir uma maior facilitação na obtenção de vistos.
“Devemos dizer ao mundo que os EUA estão abertos”
começou por afirmar o presidente norte-americano, explicando que o país vai lançar um programa destinado aos países emergentes, como é o caso do Brasil, que, entre outras facilidades, vai permitir uma maior agilização na obtenção de vistos.
“A população do Brasil adora vir à Florida, mas nós estávamos dificultando essas visitas”, considerou Obama, acrescentando que a desburocratização das viagens dos brasileiros, à semelhança de outros mercados emissores de turistas para os EUA, vai fomentar a criação de emprego no país. “Quanto mais gente visitar os EUA, mais americanos voltarão a trabalhar”, afirmou o presidente, explicando que o plano prevê agilizar em 40% a capacidade dos consulados americanos de aprovarem vistos no Brasil e na China em 2012, diminuindo também o tempo estimado para a realização de entrevistas aos candidatos à obtenção do visto, enquanto os candidatos considerados de baixo risco deixam de ser obrigados a realizar a referida entrevista.
BRASIL É PRIORIDADE
O presidente norte-americano considera que a aposta nos mercados internacionais pode levar à criação de mais de um milhão de empregos nos próximos 10 anos, elegendo como mercados prioritários o Brasil, a China e a Índia, cujos turistas têm uma média de gastos muito superior aos de outros mercados, como o europeu. Na calha está também a expansão a mais países do programa que dispensa os turistas da necessidade de possuir visto, actualmente disponível em 36 países.
Há apenas quatro escritórios consulares americanos no Brasil, um país quase do tamanho dos Estados Unidos. Para obter um visto, muitos brasileiros devem viajar longas distâncias para ser entrevistado em um escritório consular. Apesar do processo oneroso, havia 820.000 pedidos de visto este ano, com uma espera média de 50 dias - um tempo muito longo, autoridades de turismo dizem. 
Lobistas estão pressionando o Congresso e o Departamento de Estado para mudar o processo. Além disso, eles estão pressionando por mais escritórios consulares no Brasil e um programa piloto de entrevista de requerentes de visto através de vídeo conferências. Sete projetos estão pendentes no Congresso sobre a questão para fim da necessidade de vistos.
Nesse ínterim, funcionários de turismo dizem que a Europa drena brasileiros que viajam, afastado um grande número deles, porque viagens para lá há muito mais facilidade. 
A Europa Ocidental recebe 52 por cento de todos os brasileiros que viajam ao exterior e os Estados Unidos 29 por cento. "Provavelmente poderíamos dobrar o número de brasileiros nos Estados Unidos" se os vistos não fossem obrigados, disse Patricia Rojas, a vice-presidente da Associação de Viagens para os EUA. "Estamos em uma completa desvantagem."
Postar um comentário