A DISPUTA POR TURISTAS BRASILEIROS CRESCE NO EXTERIOR

Turistas brasileiros: Uma orgia de gastos
By Laura Bonilla (Agence France-Presse)
Aproveitando-se da economia com bons desempenhos de seu país e moeda corrente forte, os turistas brasileiros foram às compras no exterior no ano passado, gastando mais de US $ 20 bilhões, principalmente nos Estados Unidos e França.
Banco Central do Brasil disse que o gasto recorde no estrangeiro foi em jóias, cosméticos, iPads, roupas, carrinhos de bebê e até mesmo casas, um aumento de 22 por cento sobre o valor para 2010.
O aumento da mobilidade social - um número estimado de 30 milhões de pessoas se mudaram para a classe média na última década - maior renda, acesso a crédito mais barato e de emprego baixa (5,2 por cento em Novembro), a média de um número crescente de brasileiros agora viajar e fazer alarde no exterior . Seus destinos favoritos são Miami, Nova York, Buenos Aires e Paris, de acordo com José Francisco Salles Lopes, um alto funcionário do ministério do turismo.
Em 2010, 1,1 milhões de brasileiros viajaram para os Estados Unidos, 870 mil para a Argentina e 384 mil para a França, com outros grandes contingentes de ir para Portugal, Itália e Espanha. 

Nos Estados Unidos, eles foram o grupo estrangeiro que gastou mais per capita em 2010, US $ 5,9 bilhões, ou cerca de US $ 5.000 por pessoa.

"Os brasileiros gastam tudo que têm. Se eles têm US $ 5.000, eles gastam 5.000 dólares"
José Francisco Salles Lopes, Ministério do turismo
Sydney, um pediatra do Rio com 47 anos, que não deu seu sobrenome por medo de ter problemas com a alfândega, viaja para os Estados Unidos duas vezes por ano. Ele disse à AFP que voltou de Boston esta semana, onde recebeu mais de 40 caixas de compras pela Internet enviadas para seu hotel por sua filha de 14 anos de idade.
"Dois iPods, um computador, roupas de marca e tênis, duas câmeras. A facilidade deste tipo de compra, a segurança, a qualidade, os preços, você não pode bater isso. No Brasil, tudo custa duas ou três vezes mais muito "
Sydney- Pediatra viajando a turismo
Com a valorização de quase 40 por cento do real frente ao dólar, o Brasil é agora um país caro. Sydney também viajou para Fort Lauderdale, na Flórida no ano passado e visitou um shopping center cercado por brasileiros.
"Eu tinha vergonha de dizer que era brasileiro, meus compatriotas estavam comprando em todos os lugares, comprando camisas Armani e gritando:

"Eu não me importo com o tamanho ou cor, dá-me três"

Gestantes brasileiras inundaram os Estados Unidos para comprar jogos de enxoval, um traje de roupa para recém-nascidos. Carlos Eduardo, gerente de uma empresa do Rio cuja esposa está esperando um menino, para maio, passou o Natal em Orlando, Florida, fazendo compras para o bebê.
"Desde a roupa do bebê para até dois anos e até creme para assaduras, eu comprei", ele contou.
Cada brasileiro pode trazer de volta do exterior até US $ 500 dólares em mercadorias sem pagar imposto. A elevação nos preços de imóveis no Brasil ea Crise habitacional americana também levaram muitos brasileiros a comprar condomínios de luxo em Miami, de acordo com agências de propriedade local.
No ano passado, os pedidos de vistos dos EUA subiu 40 por cento e Washington anunciou que irá dobrar o número de funcionários consulares no Brasil para acelerar o processo, que atualmente leva 50 dias. 
A indústria do turismo e comercio dos EUA está entretanto pressionando o Congresso de concessão a brasileiros de isenção de vistos de entrada.
"Este era o sonho dos brasileiros e hoje são os americanos quem pressiona para isso acontecer. Eles vêem o Brasil como um turismo de qualidade"
disse Salles.


E depois existe Paris, para o qual a elite brasileira sempre teve uma queda.
Muito brasileiro rico é dono de uma segunda residência lá e quando você pisa em uma livraria do Rio você encontra prateleiras inteiras dedicadas à capital francesa. 
"Paris é a cidade mais vendida quando a viagem envolve a Europa", disse Pablo 

Resende Torres, funcionário da CVC, operadora do Brasil turísticos que oferece um cobiçado tour: "Paris para os brasileiros"

"Hoje é uma febre. Os franceses estão estendendo o tapete vermelho para os brasileiros", segundo Salles.

Os números oficiais mostram que os brasileiros são o segundo maior contingente estrangeiro, atrás dos norte-americanos, a visitar o museu do Louvre.
"Os brasileiros vão a Miami para comprar eletrodomésticos, mas na Europa eles compram nomes de marca", Rejan Bruni, uma bióloga de 53 anos de idade, que acaba de voltar da Europa, disse à AFP.

"Havia filas inteiras de brasileiros esperando para comprar Louis Vuitton"
Postar um comentário