PRIVATARIA TUCANA: Os Parques da Cantareira, Jaraguá e Horto Florestal na Zona Norte já foram entregues. Cuidem do Parque da Juventude!

Travessia de Quatis na Serra da Cantareira
Fauna e Flora a serviço 
de Laboratórios e Madeireiras

“Fica a Fazenda do Estado autorizada a conceder a exploração dos serviços ou o uso de áreas, ou parte das áreas, inerentes ao ecoturismo e a exploração comercial madeireira, ou de sub-produtos florestais, pelo prazo de 30 anos”.



PARQUES EM PROCESSO DE PRIVATIZAÇÃO
ZONA NORTE/SP
Os Parque da Cantareira,  Jaraguá e Alberto Löfgren, também conhecido como Horto Florestal, já se encontram liberados para servirem como fonte de lucro para a iniciativa privada. A madeira e a Floresta estão a disposição de madeireiras e laboratórios para exploração e formação de suas riquezas particulares a partir daquilo que o povo manteve a custa de muito esforço e sacrifico. 
Nenhuma novidade, pelo contrario, esta é a Privataria Tucana: A obrigação de Governos Tucanos com o desmonte do Estado em prol da inciativa privada.  

PARQUE DA JUVENTUDE
Painel do Parque da Juventude

Criança não veras Parque nenhum!
O Parque da Juventude é um espaço que não oferece madeira ou área de floresta, qualidades, ao que tudo indica,  que nortearam a escolha dos Parques na lista da privataria. Contudo, nada se opõe a ideia de que as vinte e cinco  áreas escolhidas fazem parte da primeira etapa do processo de entrega do estado para os amigos empresários e, nesse aspecto, o Parque no Carandiru, por suas estrutura atrativa, é serio candidato a privatização, numa segunda fase de entrega dos terrenos urbanos.  
Construído no lugar da antiga Casa de Detenção de São Paulo, popularmente conhecida como Carandiru, o Parque da Juventude foi inaugurado em 2003, e é um dos locais mais frequentados da zona Norte da capital. É um complexo esportivo, cultural e recreativo de 240 mil m², com uma estrutura mais do que completa. 
Muito frequentado principalmente por skatistas, o parque possui dez quadras, quatro portarias, dois estacionamentos, lanchonete, restaurante e é dividido em três áreas:

Parque Esportivo, primeira área a ser construída, que abriga as quadras (oito poliesportivas e duas de tênis), as pistas de skate e patins e a pista de cooper, áreas de descanso e vestiários, além de oferecer empréstimo de materiais esportivos e aulas gratuitas de diversos esportes, entre eles, tênis e taekwondo

Parque Central, segunda área finalizada, que, com 95 mil m² de área verde, incluindo jardins, alamedas, bosques e uma pequena Mata Atlântica, ainda possui passarelas, conservadas do antigo presídio, para conhecer melhor a área, oferece modalidades esportivas, como o arvorismo, e permite a entrada de animais de estimação;
- Parque Institucional, onde localiza-se o prédio da Escola Técnica Estadual (ETEC), um posto do Acessa SP, onde o púbico pode, gratuitamente, acessar a internet em mais de cem computadores e assistir a cursos e oficinas e a Biblioteca de São Paulo, espaço de quatro mil m²  e dois andares, com mais de 30 mil livros – desde os clássicos da literatura em novas edições, até best sellers atuais – além de um acervo com filmes, CDs, livros digitais, duas áreas infantis e um auditório.


O parque também apresenta uma extensa agenda cultural, sempre recebendo shows e festivais com grandes artistas nacionais dos mais diversos estilos e ritmos e eventos de diversas temáticas, como encontros religiosos, mostras de arte, apresentações teatrais e circenses, entre muitos outros.



Localizado ao lado da estação Carandiru do metrô (Linha azul), o parque possui fácil acesso através de transporte público (ônibus e metrô) e, aos domingos e feriados, através da Ciclofaixa de lazer.

   

Serviço:



Parque da Juventude

End.: Av. Zaki Narchi, 1309 – Carandiru – zona Norte – São Paulo.

Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 6h às 18h (as quadras funcionam de segunda a sábado, das 6h à 0h. Domingos, das 6h às 22h).
Tel.: (11) 2251-2706/ (11) 2089-8600.



Biblioteca de São Paulo

End.: Av. Zaki Narchi, 2630 – Carandiru – zona Norte – São Paulo.

Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 21h. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 19h.
Tel.: (11) 2089-0800.



LEI Nº 16.260, DE 29 DE JUNHO DE 2016


Autoriza a Fazenda do Estado a conceder a exploração de serviços ou o uso, total ou parcial, de áreas em próprios estaduais que especifica e dá outras providências correlatas

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:
Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:
Artigo 1º - Fica a Fazenda do Estado autorizada a conceder a exploração dos serviços ou o uso de áreas, ou parte de áreas, inerentes ao ecoturismo e à exploração comercial madeireira ou de subprodutos florestais, pelo prazo de até 30 (trinta) anos, dos próprios estaduais constantes do Anexo desta lei.
§ 1º - A exploração comercial de recursos madeireiros ou subprodutos florestais só será admitida:
1 - nas áreas previstas no Plano de Manejo para esse fim;
2 - após decisão favorável do órgão executor, ouvido o Conselho da unidade de conservação;
3 - quando os projetos científicos previstos para as áreas tenham atingido seus objetivos;
4 - com a garantia de preservação de um banco genético, conforme previsto no respectivo Plano de Manejo.
§ 2º - Nas hipóteses de que trata o § 1º deste artigo, o concessionário fica obrigado a executar projetos de restauração ou produção florestal sustentável, de acordo com as normas vigentes e aprovados pelos órgãos competentes e pelo gestor da unidade.
Artigo 2º - São objetivos desta lei:
I - permitir, criar e favorecer condições à exploração do potencial ecoturístico das áreas;
II - permitir a exploração comercial sustentável de produtos florestais, madereiros e não madereiros, das áreas;
III - contribuir com o monitoramento ambiental, manutenção e outras atividades necessárias à gestão das unidades integrantes do Sistema Estadual de Florestas - SIEFLOR;
IV - assegurar que os recursos obtidos com as concessões sejam integralmente aplicados na gestão e conservação das unidades integrantes do SIEFLOR;
V - promover a conservação da diversidade biológica e dos recursos genéticos das áreas;
VI - contribuir para a proteção das espécies ameaçadas de extinção e para o desenvolvimento de ações que as levem à condição de não ameaçadas;
VII - contribuir para a conservação e restauração da diversidade de ecossistemas naturais das áreas;
VIII - promover a utilização dos princípios e práticas de conservação da natureza no processo de melhoria e desenvolvimento das áreas;
IX - contribuir para a proteção das paisagens naturais de notável beleza cênica;
X - contribuir para a proteção das características relevantes de natureza geológica, geomorfológica, espeleológica, arqueológica, paleontológica e cultural;
XI - contribuir na proteção e recuperação dos recursos hídricos e edáficos das áreas;
XII - contribuir na recuperação ou restauração dos ecossistemas degradados das áreas;
XIII - valorizar econômica e socialmente a diversidade biológica;
XIV - criar e favorecer condições e promover a educação ambiental, a recreação e o lazer em contato com a natureza;
XV - proteger os recursos naturais necessários à manutenção do modo de vida de populações tradicionais existentes no interior das áreas concedidas e no seu entorno, respeitando e valorizando seu conhecimento e cultura e promovendo-as social e economicamente;
XVI - favorecer as condições de desenvolvimento social e econômico das comunidades do entorno das áreas.
Artigo 3º - As concessões a que se refere o artigo 1º desta lei ficam condicionadas ao caráter remunerado e ao interesse público e, no caso de Unidades de Conservação da Natureza, regidas pela Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000, integrantes do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza — SNUC, as concessões ficam também condicionadas ao atendimento mínimo dos seguintes requisitos:
I - existência de Plano de Manejo aprovado;
II - compatibilidade das atividades passíveis de exploração econômica com os objetivos da Unidade de Conservação, conforme disposto no Plano de Manejo;
III - aprovação da concessão e do edital da licitação pelo Órgão Gestor da Unidade de Conservação;
IV - oitiva do Conselho Consultivo do Sistema de Informação e Gestão de Áreas Protegidas e de Interesse Ambiental do Estado de São Paulo - SIGAP, instituído pelo Decreto nº 60.302, de 27 de março de 2014, e do Conselho Consultivo da Unidade, ou, quando for o caso, aprovação do Conselho Deliberativo;
V - exploração, única e exclusiva, de áreas de uso público, de experimentação ou de manejo sustentável, desde que previstas no Plano de Manejo;
VI - compatibilidade das atividades passíveis de exploração econômica com os objetivos de proteção da área a ser concedida;
VII - oitiva do Conselho Estadual do Meio Ambiente - CONSEMA, com prévia realização de audiência pública;
VIII - licitação, na modalidade concorrência.
§ 1º - Do edital da licitação deverão constar, na forma desta lei e do respectivo regulamento, no mínimo e quando for o caso:
1 - as obras mínimas a serem realizadas pelo concessionário e os usos possíveis, respeitando, nas hipóteses de unidade de conservação, o Plano de Manejo;
2 - as exigências previstas no § 2º do artigo 1º desta lei;
3 - as atividades a serem realizadas pelo concessionário, como encargos da concessão;
4 - vetado;
5 - a prestação de garantia de execução pela concessionária, no valor equivalente a 5% (cinco por cento) do valor do contrato, para efeito de garantia de adimplemento das obrigações assumidas e condição para celebração do ajuste, que deverá ser mantida ao longo do prazo da concessão;
6 - as formas de favorecer as condições de desenvolvimento social e econômico das populações tradicionais e das comunidades existentes no interior e no entorno das áreas concedidas;
7 - as formas de valorização e utilização da mão de obra e dos produtos locais e regionais;
8 - a obrigatoriedade de dar destinação ambientalmente adequada para todos os resíduos produzidos e de implantação de gestão, visando à eficiência energética e redução do consumo de recursos hídricos nas áreas concedidas;
9 - a obrigação de a concessionária adotar medidas que impeçam a alimentação de animais pelos usuários.
§ 2º - Fica vedada a concessão de atividades que impliquem exercício do poder de polícia ou coloquem em risco a integridade dos ecossistemas.
§ 3º - É de responsabilidade do concessionário comunicar imediatamente às autoridades competentes quaisquer ocorrências no exercício de suas atividades que coloquem em risco a integridade ambiental da área concedida.
Artigo 4º - Do contrato de concessão deverão constar encargos, cláusulas, termos e condições, na forma desta lei e do respectivo regulamento, que garantam, no mínimo:
I - utilização das áreas e bens somente para os fins previstos na concessão;
II - impossibilidade de transferência de bens e áreas do Estado e direitos a qualquer título;
III - definição clara dos mecanismos de pagamentos;
IV - prerrogativas inerentes ao exercício do poder de fiscalização da Administração sobre o uso e a integridade ambiental das áreas concedidas e da consecução de seus fins;
V - hipóteses de rescisão da concessão, como nos casos de:
a) inadimplemento de obrigações legais ou contratuais, especialmente no que tange à legislação ambiental incidente sobre as áreas concedidas;
b) transferência do uso dos imóveis e áreas da unidade pelo concessionário a terceiros, inclusive para instalação de antenas;
c) alteração do uso dos imóveis, pelo concessionário, para fins diversos aos previstos no contrato e termo de referência;
VI - as sanções nos casos de rescisão ou de não cumprimento, total ou parcial, do contrato;
VII - vetado;
VIII - mecanismos de promoção do desenvolvimento sustentável das populações tradicionais existentes no interior das áreas concedidas e no seu entorno;
IX - mecanismos de avaliação do cumprimento do escopo da concessão, incluindo parâmetros de preços e indicadores de qualidade dos serviços prestados aos usuários.
§ 1º - Para as áreas integrantes de unidade de conservação, o contrato deverá assegurar ainda:
1 - a obediência ao Plano de Manejo e regulamentos da Unidade de Conservação, para a execução de qualquer atividade;
2 - a efetiva utilização das áreas e bens para os fins a que se destinam, considerada como principal finalidade a realização de atividades de uso público da área concedida;
3 - que as atividades realizadas pelo concessionário não afetem os objetivos da Unidade de Conservação ou da área concedida.
Artigo 5º - O acompanhamento e fiscalização dos contratos objetos desta lei serão executados por comissão qualificada, nos termos do regulamento.
Artigo 6º - Vetado:
I - vetado;
II - vetado.
Artigo 7º - O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de 180 (cento e oitenta) dias da sua publicação.
Artigo 8º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.
Palácio dos Bandeirantes, 29 de junho de 2016.
GERALDO ALCKMIN
Patrícia Faga Iglecias Lemos
Secretária do Meio Ambiente
Samuel Moreira da Silva Junior
Secretário-Chefe da Casa Civil
Publicada na Assessoria Técnica da Casa Civil, aos 29 de junho de 2016.

Postar um comentário