FUKUSHIMA ESTÁ ENVENENANDO O PLANETA SOB O SILÊNCIO DO CAPITAL!

Contaminação do Oceano Pacífico  - Hemisfério Norte Potencialmente em grande perigo com Radiação em Fukushima indo para níveis'Inimagináveis'


Radiação de Fukushima contamina o Oceano Pacífico e segue adiante
Em 2011, um tremor de terra, que se acredita tenha sido uma réplica do terremoto de 2010, no Chile, criou um tsunami que causou o colapso e o vazamento de radiaçaão na usina nuclear da TEPCO em Fukushima, Japão.


 “O desastre nuclear contaminou o maior oceano do mundo em apenas 5 anos e continua despejando 300 toneladas de material radioativo por dia”, afirma o portal japonês Radioshiga.

Segundo o editor-chefe da publicação, Prof. Anderson Yoshihara, “a maioria das pessoas diria que foi o desastre nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, foi o maior de todos os tempos, mas estariam errados”.
Dados da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), dos EUA, medem a radiação de Fukushima.

Três reatores nucleares derreteram e o que aconteceu em seguida foi a maior liberação de radiação na água, na história do mundo. Durante os  três meses seguintes, os produtos químicos radioativos, alguns em quantidades ainda maiores do que Chernobyl, vazaram. Seguiram direto para o Oceano Pacífico.

Radiação e temperatura

É difícil encontrar as palavras para transmitir como isso é sério.
Se você foi exposto a um nível de radiação de apenas 10 sieverts por hora, isso significaria morte quase certa. Assim, 530 sieverts por hora é simplesmente fora das paradas. De acordo com o Guardian, esta medida recente está sendo descrita por cientistas como "inimaginável"

A leitura recente, descrita por alguns especialistas como "inimaginável", é muito maior do que o recorde anterior de 73 sieverts por hora naquela parte do reator.

Uma única dose de um sievert é suficiente para provocar doença de radiação e náuseas; 5 sieverts matariam a metade daquelas expostas a ele dentro de um mês, e uma única dose de 10 sieverts provaria fatal dentro das semanas.
E a notícia realmente ruim é que parece haver um buraco de 2 metros que foi criado por combustível nuclear derretido "na grade de metal sob o recipiente de pressão no recipiente de contenção primário do reator". O seguinte vem da Bloomberg .

Novas fotografias mostram o que pode ser combustível nuclear derretido sentado sob um dos reatores de Fukushima destruídos pelo Japão, um marco potencial na busca e recuperação do combustível quase seis anos depois do pior desastre atômico da história.

Tóquio Electric Power Co. Holdings Inc., maior utilidade do Japão, lançou imagens na segunda-feira mostrando uma grelha sob o reator Fukushima Dai-Ichi No. 2 coberto em resíduo preto. A empresa, mais conhecida como Tepco, pode enviar um robô tipo escorpião em fevereiro para determinar a temperatura e a radioatividade do resíduo.

Se isso não é suficientemente assustador, uma fonte de notícias japonesa está relatando que este combustível nuclear derretido "entrou em contato com a água subterrânea que flui do lado da montanha" .

O combustível derretido entrou em contato com a água subterrânea que flui do lado da montanha, gerando água contaminada radioativamente todos os dias. Para desmontar o reator, é necessário retirar o combustível derretido, mas níveis de radiação elevados no interior do reactor impediram o trabalho de localizar os detritos derretidos.

Se esse desastre se limitasse ao Japão, todo o hemisfério norte não estaria em risco.Mas esse não é o caso.
A maior parte da contaminação nuclear de Fukushima terminou no Oceano Pacífico, e de lá foi literalmente levado ao redor do resto do planeta. O seguinte foi relatado por PBS .


Mais de 80 por cento da radioatividade dos reatores danificados terminou no Pacífico - muito mais do que atingiu o oceano de Chernobyl ou Three Mile Island. Desse modo, uma pequena fração está atualmente no fundo do mar - o restante foi varrido pela corrente de Kuroshio, uma versão ocidental do Pacífico da Corrente do Golfo, e levado ao mar onde se misturou com (e foi diluído por) o vasto volume de O Pacífico Norte.

Não sabemos se existe uma ligação, mas é extremamente interessante notar que as pescarias na costa oeste dos Estados Unidos estão a falhar devido a uma dramática diminuição das populações de peixes. Basta verificar o seguinte trecho de uma história que foi postada em 18 de janeiro ...
Secretário de Comércio dos EUA Penny Pritzker hoje determinou que há falhas de pesca comercial para nove pescarias de salmão e caranguejo no Alasca, Califórnia e Washington.



Nos últimos anos, cada uma dessas pescarias experimentou grandes e súbitas e inesperadas reduções na biomassa do estoque de peixes ou perda de acesso devido a condições climáticas e oceânicas incomuns. Esta decisão permite que as comunidades pesqueiras busquem ajuda de emergência do Congresso.

As coisas são particularmente ruins no Alasca, e os biólogos são "stumped" por que isso poderia estar acontecendo .

Em 2016, as colheitas de salmão-de-rosa em Kodiak, Príncipe William Sounds, Chignik e Cook Inlet inferiores vieram lamentavelmente sob previsão e perplexo biólogos sobre o porquê.

O valor estimado do lançamento da Kodiak em 2016 foi de US $ 2,21 milhões, comparado a uma média de US $ 14,64 milhões em cinco anos, e em Prince William Sound o valor do ex-navio foi de US $ 6,6 milhões, muito menos que a média de US $ 44 milhões em cinco anos. A colheita total do estado foi a menor desde o final dos anos 70.

Embora os biólogos do estado não estivessem prontos para declarar uma causa para o desempenho pobre do salmão cor-de-rosa, a liberação de imprensa do departamento do comércio atribuiu os desastres a "condições incomuns do oceano e do clima."

Algo realmente estranho está acontecendo no Pacífico!



O material nuclear de Fukushima está entrando continuamente na cadeia alimentar, e uma vez que o material nuclear entre em nossos corpos, irradiará lentamente nossos órgãos nos próximos anos. O seguinte é um trecho de uma parte de opinião absolutamente proeminente por Helen Caldicott que foi publicada no Guardian .

A radiação interna, por outro lado, emana de elementos radioativos que entram no corpo por inalação, ingestão ou absorção da pele. Os radionuclídeos perigosos, como o iodo-131, o césio 137 e outros isótopos atualmente liberados no mar e no ar em torno do concentrado de Fukushima em cada etapa de várias cadeias alimentares (por exemplo, em algas, crustáceos, peixes pequenos.Ou solo, grama, carne de vaca e leite, então seres humanos). Depois que eles entram no corpo, esses elementos - chamados de emissores internos - migram para órgãos específicos como a tireóide, fígado, osso e cérebro, onde irradiam continuamente pequenos volumes de células com altas doses de radiação alfa, beta e / ou gama, E ao longo de muitos anos, pode induzir a replicação celular descontrolada - ou seja, câncer. 

Além disso, muitos dos nuclídeos permanecem radioativos no ambiente durante gerações e, em última instância, irá causar incidência aumentada de cancro e doenças genéticas ao longo do tempo.

Você está começando a entender a gravidade da situação?

Infelizmente, esta crise vai estar conosco por muito, muito tempo.
De acordo com a Bloomberg, eles não vão mesmo começar a remover combustível nuclear derretido desses reatores até 2021, e está sendo projetado que a limpeza geral "pode ​​levar até 40 anos" .

A natureza sem precedentes do desastre de Fukushima significa que a Tepco está concentrando seus esforços na tecnologia ainda não inventada para obter o combustível derretido dos reatores.

A empresa pretende decidir sobre um procedimento de remoção de combustível para o primeiro reator durante o ano fiscal que termina em março de 2019, e começar a remover combustível em 2021.

Muitas pessoas que acabam morrendo como resultado desta crise podem nem mesmo saber que foi Fukushima que causou suas mortes.
Pessoalmente, estou convencido de que esta é a maior crise ambiental que a humanidade já experimentou, e se a última leitura do reator 2 é qualquer indicação, as coisas só tomaram uma virada muito séria para pior.
É incorreto dizer que Fukushima está sob controle quando os níveis de radioatividade no oceano indicam vazamentos contínuos!

Se isso não fosse ruim o suficiente, Fukushima continua a vazar espantosas 300 toneladas de resíduos radioativos no Oceano Pacífico. Por dia. E continuará a vazar radiação, indefinidamente, pois a fonte do vazamento não pode ser selada. Está inacessível a seres humanos e robôs, devido aos altos níveis de radiação e temperatura.

Então, Fukushima tenha está contaminado todo o Oceano Pacífico! Este poderia ser, facilmente, o pior desastre ambiental da história humana, embora quase nunca abordado por políticos, cientistas ou imprensa.

Interessante salientar que a TEPCO é uma subsidiária da General Electric (também conhecida como GE). Trata-se de uma das maiores empresas do mundo, que tem um considerável controle sobre várias corporações de notícias e políticos.

Isso poderia explicar a falta de cobertura de notícias que Fukushima recebeu nos últimos anos? Há também evidências de que a GE sabia sobre o mau estado dos reatores, por décadas, e não fez nada. Isto levou 1,4 mil cidadãos japoneses a processar a GE por seu papel no desastre nuclear de Fukushima.
Radiação no Canadá

Mesmo que não se possa ver a radiação, em si, algumas partes da costa ocidental da América do Norte estão sentindo os efeitos através dos anos.
Não muito tempo depois de Fukushima, peixes no Canadá começaram a sangrar pelas brânquias, bocas e olhos. Esta “doença” tem sido ignorada pelo governo e tem dizimado populações de peixes nativos, incluindo o arenque do Pacífico Norte.

Em outra parte no oeste do Canadá, cientistas independentes mediram um aumento de 300% no nível de radiação. Segundo eles, a quantidade de radiação no Oceano Pacífico está aumentando a cada ano. Porque é que esta notícia esta sendo ignorada pela grande mídia? Poderia ter algo a ver com o fato de que os governos dos EUA e Canadá já proibiram seus cidadãos de falar sobre Fukushima pois “as pessoas poderiam entrar em pânico”.

Mais ao sul, no Estado do Oregon, EUA, estrelas do mar começaram a perder as pernas e depois se desintegrarem completamente, quando a radiação de Fukushima chegou, em 2013.

Radiação de Fukushima bate recorde – e frita robô enviado à usina

Ele tinha a função de inspecionar e liberar uma passagem dentro da usina, mas precisou ser removido antes de cumprir a missão.

A empresa Tokyo Electric Power Co. (TEPCO) estava falando a verdade quando disse que os níveis de radiação dentro do reator nuclear da usina de Fukushima são os mais altos desde a sua fusão em 2011. Recentemente eles enviaram um robô com controle via acesso remoto para fazer uma limpeza no lugar onde o urânio derreteu dentro do reator, porque  não suportou nem duas horas de missão.

As duas câmeras do robô escureceram e transmitiam muito ruído antes dele parar totalmente — sinais evidentes de altos níveis de radiação. A TEPCO  acredita que o robô aguentou uma radiação de 650 Sieverts nas duas horas, valor mais do que necessário para matar um ser humano instantaneamente se estivesse no local. Muito embora ele tenha sido projetado para aguentar 1000 Sieverts.

A TEPCO precisa saber a localização exata do urânio derretido e a condição de outros danos estruturais em cada um dos três reatores destruídos para descobrir a melhor maneira de remover o urânio completamente. Este processo pode levar décadas! — disse o porta-voz Takahiro Kimoto

O jeito agora é enviar um segundo robô que aguente o tranco para reduzir os riscos da região. A única boa notícia, segundo a equipe que operava a missão, é que embora o nível de radiação seja extremamente mortal, não há novos vazamentos que possam colocar em risco locais foras do limite de segurança.

O Desastre Fukushima Surpreende





Agora, as mortes estão ocorrendo em quantidades recordes, colocando todo o ecossistema oceânico nessa área em risco.

No entanto, funcionários do governo dizem que Fukushima não é o culpado, embora a radiação no atum Oregon tenha triplicado após o incidente.

Em 2014, a radiação nas praias da Califórnia aumentou em 500%. Em resposta, os funcionários do governo disseram que a radiação vinha de uma fonte misteriosa e “desconhecida” e não era motivo de preocupação.
No entanto, Fukushima não terá um impacto maior apenas na costa oeste da América do Norte, cientistas estão dizendo que o Oceano Pacífico, atualmente, está de 5 a 10 vezes mais radioativo do que quando o governo dos EUA detonaram inúmeras bombas nucleares no Pacífico, durante e após a Segunda Guerra Mundial.

Se não se começar a falar sobre Fukushima em breve, todos nós poderemos ter surpresas desagradáveis.

No entanto, os números podem ser, realmente, muito maiores do que as estimativas oficiais japonesas. Os dados foram comprovados por cientistas internacionais, nos últimos anos.

A Tepco usa diariamente um grande volume de água para refrigerar os reatores da usina que foram desativados após o acidente. Toda essa água é armazenada em mais de mil tanques construídos no local. Em contato com as varetas de combustível nuclear, a água se torna altamente radioativa e precisa ser armazenada em grandes tanques, onde passa por um processo de purificação. 400 toneladas de água radioativa são produzidas a cada dia em Fukushima.

Em agosto de 2013, quase dois anos e meio após o acidente nuclear, verificaram-se vários vazamentos de material radioativo e, ainda, a possibilidade de um grande transbordamento de água contaminada com material radioativo para o Oceano Pacífico, colocando em estado de emergência o complexo nuclear de Fukushima e acirrando as pressões sobre a Teco. O governo do Japão acredita que os vazamentos de água estejam ocorrendo há dois anos.

A Tepco havia construído uma barreira subterrânea junto ao mar, mas a água proveniente dos reatores danificados está passando por cima da estrutura de contenção. Segundo um dirigente do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão, o volume de água despejado diariamente no Pacífico é de aproximadamente 300 toneladas. Segundo o jornal Asahi Sushiman, uma força-tarefa do governo japonês calculou em três semanas o prazo para a água contaminada chegar à superfície.

Nos últimos dois meses, a Tepco tem trabalhado com o Governo numa solução que consiste em congelar o solo em volta dos reatores, para impedir a saída de água radioativa e seu contacto com a água limpa que vem das montanhas. Para isso, será necessário fazer perfurações no solo e injetar um fluido refrigerante, num perímetro de 1,4 km. A metodologia nunca foi testada nessa escala e poderá custar 40.000 milhões de ienes (310 milhões de dólares).

Até pouco tempo atrás, a Tepco dizia que conseguira manter a água radioativa na região da usina e que havia sido bem sucedida em evitar que essa água fosse para o oceano. Tal afirmação foi contestada, e a Tepco afinal admitiu que provavelmente parte da água contaminada estaria vazando para o mar.



No final de agosto, um vazamento dessa água radioativa usada no resfriamento de um dos reatores danificados fez a Teco elevar o nível de risco de 1 para 3, na Escala Internacional de Acidentes Nucleares (conhecida como escala Ines, sigla de Intencional Nuclear and Radiological Event Scale), que vai até 7. De fato já houve pelo menos quatro vazamentos semelhantes. 

Aparentemente, a causa desses eventos está na vedação dos tanques de armazenamento. Segundo Neil Hyatt, professor da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, "para manter o ritmo de armazenamento da água radioativa, a Tepco optou por usar tanques com vedação plástica. Rachaduras nessas vedações foram as causas no vazamento". Acredita-se que 30% dos tanques tenham sido construídos dessa forma.  Os efeitos da nuvem radioativa chegaram até a costa oeste do Canadá
Postar um comentário