DILMA SEGUE TRABALHANDO PELO BRASIL: MAIS DE UM MILHÃO DE NOVAS VAGAS DE EMPREGOS

Caged registra mais de 1,17 milhão de empregos em cinco meses
Entre Janeiro e Maio foram gerados no Brasil 1.171.796 empregos formais, segundo melhor resultado na série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ficando atrás apenas do registrado em 2010, quando foram abertos 1.383.729 postos.
Em maio, foram geradas 252.067 novas vagas com carteira assinada, terceiro melhor resultado da série histórica Caged, superado apenas pelo resultado de maio de 2004, com 291.822 postos, e maio de 2010, com 298.041. Os dados foram apresentados nesta segunda-feira (20/6), pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, em Brasília.
De acordo com o ministro, a criação de empregos no mês de maio foi oriunda do resultado recorde de admissões para todos os meses do Caged, com 1.912.665, e o segundo maior resultado de demissões para todos os meses da série histórica, com 1.660.598 desligamentos. 
Para Carlos Lupi, isso mostra que há grande movimentação da mão de obra, e com este dinamismo o mercado de trabalho se mantém aquecido.
NADA É POR ACASO
Agricultura apresentou melhor
resultado no mês de Maio
No setor foram criados 79 mil novos postos de trabalho com carteira assinada em todo o país
Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de maio demonstram aumento no número de empregos em todos os setores da economia.
A Agricultura foi responsável pelo melhor resultado, gerando 79.584 vagas com carteira assinada, seguida pelo setor de Serviços com 71.246, Indústria de Transformação com 42.301 e Construção Civil com 28.922. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (20), pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, em Brasília.
O bom dinamismo do setor Agrícola está associado às atividades vinculadas à presença de fatores sazonais na região Sudeste, relacionadas ao cultivo de café, cana-de-açúcar e laranja.
O desempenho favorável do setor Serviços foi resultado da expansão dos seis segmentos que o compõem, com dois deles revelando saldos recordes e um o segundo lugar. Os ramos recordistas foram os Serviços de Transportes e Comunicações (14.286 postos) e Ensino (8.385 vagas). 
Os Serviços Médicos e Odontológicos (7.605 postos) obtiverem o segundo melhor desempenho para a série do Caged.
No caso da Indústria de Transformação, o comportamento favorável no mês originou-se do desempenho positivo de 10 dos 12 ramos que a integram. Em termos absolutos, os destaques foram: Indústria de Produtos Alimentícios (+17.733 postos), Indústria Química (7.933), Indústria Metalúrgica (5.050 postos), Indústria de Material de Transporte (3.397), Indústria da Borracha (3.449 postos, segundo melhor resultado para o mês), Indústria Mecânica (2.634 postos) e Indústria Material Elétrico e de Comunicação (2.503 postos, segundo maior saldo para o período). 
Os únicos ramos industriais que não expandiram o nível de emprego foram a Indústria de Calçados (-3.417 postos) devido principalmente ao declínio da fabricação de calçados de couros nos estados do Rio Grande do Sul (-1.542 postos) e Ceará (-584 postos) e a Indústria Têxtil ( -354 postos), que apresentou uma pequena redução.
O Caged é um banco de dados constituído por informações fornecidas pelos empregadores, a partir do número de carteiras de trabalho assinadas e das demissões registradas no documento, portanto os dados são numéricos e não apenas estatísticos.
Postar um comentário