FINANCIAL TIMES: CONFIRA A ENTREVISTA DE DILMA ROUSSEF PARA A REVISTA


Financial Times Interview: Dilma Rousseff by Joe Leahy
NÓS QUEREMOS UM BRASIL
DE CLASSE MÉDIA! ENTENDEU?



A trigésimo sexta presidente do Brasil se inclina para frente e lança um olhar atento ao redor da mesa, assegurando-se de que ninguém vai deixar de entender a sua idéia simples, mas ousada, do que ela quer para o país.  Depois de quase 10 anos de governo do Partido dos Trabalhadores (PT), a maior economia da América Latina reduziu enormemente as taxas de pobreza e percorreu um longo caminho para a redução da desigualdade - uma tendência que contraria o fosso que se alarga em outros lugares.
"Isso, eu creio, é um ganho muito importante para o Brasil - ou seja, transformar o Brasil em uma população de classe média", diz Dilma Rousseff em seu escritório no Palácio do Planalto em Brasília, a maravilha de mármore projetada pelo modernista Oscar Niemeyer , um arquiteto brasileiro. "Queremos isto, queremos um Brasil de classe média."
Um notável progresso tem sido feito para melhorar o destino de milhões de pessoas onde continua sendo uma das sociedades mais desiguais do mundo. Seu milagre econômico ajudou a elevar 30-40 milhões de pessoas da pobreza, criou mercados para empresas nacionais e multinacionais e trouxe em investidores globais.

No entanto, após quase uma década de condições globais favoráveis​​, a economia de repente abrandou. Se o país vai consolidar a sua prosperidade recém-descoberta e continuar sendo um dos motores do crescimento global ao lado de Rússia, Índia e China, os outros países do Bric, Dilma deve encontrar novos modelo de desenvolvimento. Em um mundo afligido pela crise econômica, a questão é se ela pode impulsionar as mudanças necessárias ao empresariado privado para o arranque de uma segunda década de crescimento.

"Temos que fazer as partes difíceis", diz José Scheinkman, professor de economia brasileira na Universidade de Princeton. Mas se Dilma está sentindo a pressão, não há nenhum sinal disto quando ela entra na modesta sala de conferências ao lado de seu escritório no palácio presidencial olhar confiante, mas, aparentemente, ela não corre riscos: em seu pulso carrega um talismã tradicional para afastar o "mau olhado".

Ela tem uma conhecido reputação como uma tirana cruel por fazer chorar alguns ministros em reuniões que não tinham feito a sua lição de casa. Mas quando um orador espanhol na sala tenta falar português com um forte sotaque, ela gentilmente provoca-lhe imitando suas cadências. "Nós falamos espanhol aqui também", diz ela, bem humorada.
Quando Dilma chegou ao poder em janeiro do ano passado como a sucessora ungida de Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente, havia ceticismo sobre se esta tecnocrata que nunca havia ocupado um cargo eleito seria capaz de controlar a coalizão do PT com mais de 10 partidos. O que os críticos não contavam, no entanto, foi a determinação da primeira mulher a ser eleita presidente do Brasil.
Em 1967, ela se juntou a um grupo de esquerda militante se rebelar contra a brutal ditadura de direita do país, levando le nom de guerre  de Estela. No início dos anos 1970, ela foi submetida a tortura e quase três anos de prisão. Quando o Sr. Lula da Silva chegou ao poder em 2003, ele escolheu Dilma Rousseff, economista de formação, como sua ministra de energia e, em seguida, sua chefe de gabinete.
Como presidente, ela fez-se por sua falta de experiência eleitoral por ser diferente. Quando seus ministros no ano passado se envolveram em escândalos de corrupção, ela fez algo incomum em Brasília: ela não foi defendê-los, mas em vez disso simplesmente deixar ir - sete deles no total. Os eleitores aplaudiram. Enquanto isso, a taxa de desemprego continuou a cair, atingindo um recorde de baixa este ano abaixo de 6 por cento e dirigir sua popularidade para um recorde de mais de 70 por cento.

"As pessoas diziam que ela não tinha experiência política", disse Fernanda Montenegro, uma estrela de cinema brasileira indicado ao Oscar e diz ser a atriz favorita de Dilma Rousseff, em um evento no ano passado, em sua homenagem em Nova York. "Eu acredito, no entanto, que nós ganhamos com Dilma porque ela ... não se enquadra a maneira tradicional de fazer política no Brasil.Mas, enquanto no ano passado testou suas habilidades políticas, este ano, ela está sob pressão para reavivar a economia. Depois de atingir 7,5 por cento na parte de trás altos preços das commodities e uma de crédito e "boom" de consumo em 2010, o crescimento no ano passado caiu para 2,7 por cento. Este ano pode ser tão baixo quanto 1,5 por cento.

Questionada a citar os principais desafios, Dilma aponta para um conhecido suspeito. A viciada política monetária dos EUA, quando não acompanhada de políticas fiscais para absorver excesso de fundos, leva à desvalorização competitiva da moeda e a inflação. "As políticas monetárias expansionistas que levam à desvalorização da moeda são as políticas que criam assimetrias nas relações comerciais - assimetrias graves", diz ela.


Com os EUA e outros países que querem se mover para fora da crise, mas o Brasil recusou-se a se tornar a lata de lixo do mercado de bens americano. O governo tem tentado proteger suas indústrias através de medidas como o aumento de impostos sobre carros composta de mais de 40 por cento dos componentes importados. Isso, e uma recente mudança para aumentar as tarifas sobre centenas de produtos a partir de tubos de ferro fundido a pneus de ônibus, levou a queixas norteamericanas. 

No entanto, Dilma Rousseff, em discurso na Assembléia Geral da ONU no mês passado, rebateu vigorosamente que "medidas legítimas de defesa" não pode ser tomado como protecionismo.  "Este país não vai apenas montar coisas", diz Dilma. "Queremos um país que produz, que cria conhecimento que seja aplicável aqui, queremos uma força de trabalho especializada."

Mas ela reconhece que muitos dos problemas do Brasil são também caseiros. Elevados custos do trabalho, baixa produtividade e infra-estrutura precária - com gastos do governo a 36 por cento do produto interno bruto, ou o equivalente a muitos países avançados europeus, mas sem os mesmos níveis de eficiência - criaram uma situação em que a inflação surge sempre que o economia começa a crescer.

Tony Volpon, economista da Nomura, em Nova York, afirma que a taxa potencial de crescimento do Brasil  - a velocidade em que ela pode se expandir sem gerar inflação alta - caiu de 4 por cento na última década para mais perto de 3 por cento, ainda melhor que a Europa. Isso porque o crescimento na última década foi, em parte, o resultado do programa de Lula de pessoas que se juntam a força de trabalho formal em maior número. Hoje, com o baixo desemprego, que a fruta pendurada já foi colhida.

Enquanto a presidente não promete um pacote de reformas  "big bang", como visto recentemente na Índia, que desregulamentou os setores de varejo e de companhias aéreas, o Brasil está reduzindo o custo do trabalho, reduzindo os impostos da folha de pagamento. Até agora 40 setores industriais foram beneficiadas. Outras medidas fiscais estão por vir. "Isso é importante porque não queremos penalizar aqueles que empregam as pessoas", diz Dilma.

O governo também está acelerando a venda de concessões de infra-estrutura e também está se preparando para descarregar R$ 133 bilhões de concessões rodoviárias e ferroviárias. Os portos são os próximos. Esses "big-tickets" projetos são vistos como cruciais à frente do Brasil como sede da Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos dois anos depois. "Queremos parceiros do setor privado, de qualquer origem", diz ela.
Outro programa do governo é grande para reduzir os índices tradicionalmente altos de juros bancarios do Brasil. O banco central cortou as taxas em 500 pontos-base em 12 meses para uma baixa recorde de 7,5 por cento. Mas Dilma e seus ministros também forçam a barra, intimidam
bancos a darem taxas mais baixas de crédito.
Enquanto os bancos são criticados por cobrança de taxas usurárias no Brasil - os cartões de crédito podem exceder 100 por cento - a intervenção verbal do governo semeou o temor de interferência no mercado especulador.
Dilma Rousseff é anapologética. O Brasil foi o último almoço grátis no mundo para os bancos, diz ela, referindo-se às altas taxas de juros que cobram clientes. "Estamos voltando a ser um local com níveis normais de rentabilidade. Isso significa que alguns de nós precisam começar a olhar por lucros adequados em atividades produtivas que são boas para o país. "
Ela é igualmente inflexível sobre uma outra área em que o governo é acusado de interferência no setor privado - a sua decisão de cortar os lucros operadores de energia elétrica estão autorizados a fazer. Puxando um bloco de notas, ela desenha um gráfico representando a vida da planta média hidrelétrica, onde a unidade continua a produzir energia por muito tempo após o investimento inicial tenha sido pago - mas as empresas querem continuar a cobrar os mesmos preços elevados. Assim, o governo tem dado aos operadores uma escolha - cortar preços agora e renovar o contrato ou aguardar o contrato a expirar e arriscar perdê-lo.

O resultado foi um corte de 16 por cento nos preços da energia para os consumidores brasileiros e uma redução de 28 por cento nas tarifas para os clientes industriais. "Isso é muito importante, pois precisamos reduzir os custos", diz Dilma Rousseff da pequena iniciativa. Enquanto seu antecessor desfrutava da ribalta internacional, Dilma Rousseff é um diplomata indiferente. Ela arrepiou os cabelos dos EUA e Europa na Assembléia Geral da ONU no mês passado afirmando que a islamofobia está em ascensão em países desenvolvidos.

Ela descreve um Brasil que é amigo de todos, com relações especiais com os países africanos lusófonos e seus laços estreitos com a Europa através da imigração. "O mundo para nós é uma multipolaridade", diz ela.  Mas Dilma parece claramente preocupada com a governança. Ela conta a história de um prefeito que deveria estar construindo duas escolas com recursos do governo federal, mas foi de fato construindo apenas um e embolsando o resto. 


Ele foi obrigado a postar fotos na internet das escolas sendo construídas. Ele acabou sendo pego de surpresa quando o mesmo cão apareceu em fotos do que eram para ser as duas escolas diferentes.  "Você tem que estar pronto para tudo na vida - mas um cão denunciando um prefeito", diz o presidente, rindo. De repente, ela se torna séria. "Estamos a informatizar toda a estrutura do governo, porque isso vai nos permitir controlar o que ele faz." Esses processos são "banais", mas necessários, diz ela.
Um presidente que dá atenção aos detalhes, mesmo banais, é talvez o que o Brasil precisa, se procura consolidar as enormes conquistas da última década e continuar sua ascensão como um país de classe média. Mas com a reforma apenas começando, muito ainda vai depender de como ela está disposta a começar a "coisas difíceis" feito.


Postar um comentário