DEU NA BBC: O BRASIL DE DILMA É DILMAIS!!

Brazil's Dilma Rousseff steers a steady course
O BRASIL DE DILMA ROUSSEF
SEGUE EM SEU CURSO ESTÁVEL


Dilma Rousseff foi eleita  a primeira mulher presidenta do Brasil, em outubro de 2010, tomando do carismático e popular Luiz Inácio Lula da Silva esse cargo. Nesses dois anos, desde então, ela tem se mostrado uma líder popular, apesar de um estilo muito diferente de seu antecessor.

Uma manhã de agosto, a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff convocou três de seus ministros para discutir formas de ajudar os agricultores do país, sofrendo os efeitos do mau tempo. Um dos participantes, o ministro da Agricultura Mendes Ribeiro, disse que a presidente ficou impaciente como o debate avançava.   Ela nos disse: "Vocês tem uma hora para resolver o problema", e em seguida, saiu da sala.
"Ela concordou em prorrogar o prazo, mas não havia nenhuma maneira de que nós teríamos permissão para deixar de solucionar o problema", diz Ribeiro.

Ele descreve a presidente como "uma líder muito precisa e direta". Ele acrescenta: "Ela geralmente não gosta de adiar decisões e nunca aceita soluções inacabadas".  Esta abordagem dura é vista como uma das principais características de sua administração petista de Dilma, que fará dois anos de idade em janeiro.    No mês passado, uma fotografia publicada na imprensa brasileira mostrou o presidente lendo uma resposta a uma nota escrita à mão que ela tinha enviado a dois ministros.

A Mensagem furiosa da presidente - sobre uma política ambiental controversa - era um pouco visivelmente embaraçosa.
Ela intimou a seus ministros: "Por que os jornais estavam dizendo que havia um acordo no Congresso sobre o Código Florestal, e eu não sabia de nada?"  Sua imagem como uma líder firme, combinada com a estabilidade econômica do país, ajudaram a dar a administração de  Dilma Rousseff um índice de aprovação de 59%. Essa é a mais alta desde 1989, quando o país realizou suas primeiras eleições diretas depois de duas décadas de ditadura militar.
Reconhecimento internacional
Dilma Rousseff também tem atraído a atenção no exterior. Em agosto, Dilma foi a capa da revista empresarial Forbes, que a classificou como a terceira mulher mais poderosa do mundo após a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e da secretária de Estado  dos EUA Hillary Clinton. Dilma Rousseff, 64 anos, começou sua militância política na década de 1960, unindo-se a um grupo de esquerda clandestino que organizou a resistência armada à ditadura militar de direita do país, embora ela nunca tenha se envolvido em nenhum ato de violência. 

Presa pela polícia, ela foi brutalmente torturada por 22 dias e, em seguida detido por quase três anos. Após o retorno da democracia, ela começou sua carreira política e chamou a atenção do então presidente da Silva - popularmente conhecido como Lula - que a nomeou primeiro como sua ministra de Minas e Energia, e mais tarde como sua chefe de gabinete. Sete anos mais tarde, ele, pessoalmente, a escolheu para lhe suceder como candidata do Partido dos Trabalhadores à presidência, apesar do fato de que ela nunca concorreu em nenhuma eleição.
Lula da Silva se desenvolveu um gigante perfil no cenário mundial em sua busca para conquistar um papel maior e mais forte para o Brasil no cenário mundial. Dilma, ao contrário, é vista como um político discreta, mais focada em questões domésticas. "Viaja menos mostrando uma maior preocupação com a gestão do país, ela logo conseguiu a simpatia e apoio da classe média, algo que Lula levou muito mais tempo para alcançar", diz Mauro Paulino, diretor do instituto de pesquisa Datafolha.
Sua administração tem enfrentado bem as dificuldades econômica. Em 2011, o PIB do Brasil cresceu 2,7% e deve crescer menos de 2% este ano, a menor taxa desde 2009, e um declínio acentuado do aumento de 7,5% em 2010, no entanto, um desempenho apenas sonhado na Europa e EUA .  Ricardo Ismael, professor de ciências sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, diz que problemas na econômica não afetou sua popularidade por causa do foco de Dilma em manter empregos - em pouco menos de 6%, o desemprego permanece em seu nível mais baixo de sempre.

Seu papel na decisão do Banco Central de cortar a taxa de juros do Brasil em cinco pontos - até então, tinha sido a mais alta taxa do mundo - foi considerado crucial.  Mais recentemente, ela anunciou medidas para aumentar o papel dos investidores privados na economia brasileira por meio da parcerias em estradas, ferrovias, portos e aeroportos.  Seu reino, no entanto, foi marcada por escândalos políticos. A presidenta foi forçado a demitir seis ministros por conduta antiética ou alegações de corrupção. Alguns destes ministros foram apontados por Lula e as mudanças, de acordo com analistas, permitiu a presidente construir um melhor governo refletindo o seu carácter.

No entanto o senador Alvaro Dias da Oposição acredita que ela tem mantido o que, na opinião dele, seja alguns dos piores aspectos da administração anterior. "Ela manteve o modelo político negociado pelo ex-presidente Lula, que esgota o poder financeiro do Estado brasileiro", diz o senador do partido de oposição social-democrata, o PSDB.  "Como resultado da coalizão governista enorme, a oposição é limitada."  Entretanto, manter a coalizão criada por Lula da Silva impediu que Dilma perdesse algumas grandes disputas no Parlamento e o Páis continuasse avançando.
Relação com partidos de oposição
Uma derrota ocorreu quando o Congresso aprovou novas regras que definiram o equilíbrio entre a conservação ambiental e desenvolvimento agrícola, conhecidas como o Código Florestal. Sua relação com o Congresso, apesar de maioria do governo, levou alguns críticos de partidos de oposição  a dizer que, apesar de uma boa administrador, Dilma não tem as habilidades políticas para ser presidente.

Ela também tem sido criticada por defender a construção de barragens hidroeléctricas para o crescimento econômico da floresta amazônica.  Segundo alguns, as barragens são ruins para o ambiente e para algumas comunidades indígenas da região, enquanto o presidente acredita que eles são parte vital do crescimento econômico. No ano passado, ela disse que a erradicação da pobreza extrema até 2014 seria "a mais determinada luta " de seu governo.
De acordo com a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, Dilma Rousseff segue de perto todos os programas do governo para ajudar os cidadãos mais pobres do Brasil.  "Ela verifica o tempo todo se estamos atingindo os objetivos. Ela tem uma memória muito boa, lembra números mencionados em reuniões anteriores e sempre carrega um laptop para comparar os dados," disse a Sra. Campello.

Em uma recente reunião com os agricultores, Dilma Rousseff foi introduzida a um homem que aprendeu a ler, recebeu sementes de uma agência de governo, e cuja casa tinha sido ligado à rede elétrica.  Mas quando ele sorriu, a presidente observou que vários dentes em sua boca estavam faltando.  "Quando ele abriu a boca, o presidente imediatamente olhou para mim", lembra a Sra. Campello. "Entendi a mensagem - que ainda precisava ter certeza de que ele teria acesso ao programa odontológico do governo."


O homem pode ser realmente feliz, mas a presidenta Dilma Rousseff, ao que parece, não estava.


 BBC Brasil, Brasilia


Postar um comentário