Sérgio Vieira de Mello. O Melhor do Brasil são os brasileiros


Semana do Trabalhador Humanitário
exibe filme sobre Sérgio Vieira de Mello

Documentário conta a história do diplomata brasileiro morto após ataque à sede das Nações Unidas no Iraque em 2003

Divulgação/ONU
Biografia de Sérgio
Sérgio Vieira de Mello nasceu no Rio de Janeiro no dia 15 de março de 1948. Filho de diplomata, em 1968 mudou para a França para fazer Mestrado em Filosofia na Universidade de Paris. Ele viria mais tarde a receber dois graus de doutorado, um em Filosofia e outro em Ciências Humanas. Em 1969, Sérgio começou a trabalhar no Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).

Foi Representante Especial do Secretário-Geral para o Iraque e Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos. Antes, foi Administrador da ONU no Timor Leste e Kosovo. Nos 34 anos em que trabalhou na ONU, Vieira de Mello atuou em Bangladesh, Sudão, Chipre, Moçambique, Peru, Líbano, Camboja, Bósnia, Croácia, Timor Leste e ocupou cargos na sede da ONU em Genebra e Nova York.
Dia Mundial do Trabalhador Humanitário
A data foi instituída em dezembro de 2008 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, para “contribuir com o aumento da consciência pública sobre o trabalho humanitário e a importância da cooperação internacional e para homenagear todos os trabalhadores humanitários do mundo”. A data coincide com o dia do atentado que tirou a vida de Sérgio Vieira de Mello e de outros 21 funcionários das Nações Unidas no Iraque.

O Dia Mundial da Ação Humanitária foi designado em memória daqueles que morreram nesse atentado a bomba, mas também em memória aos muitos trabalhadores humanitários que perderam suas vidas. Ele é também comemorado para enfatizar as necessidades atuais e desafios humanitários em todo o mundo, tais como ameaças aos trabalhadores de ajuda humanitária pelas diferentes partes envolvidas nos conflitos, os desafios para chegar até as pessoas que precisam de ajuda, ou a complexidade crescente do ambiente humanitário devido ao aumento dos preços dos alimentos, à turbulência financeira global, à escassez de água e às mudanças climáticas.
Veja também
Site oficial do filme

Trailer do filme

Teaser do documentário disponível no Youtube
do PNUD
As comemorações pela Semana do Trabalhador Humanitário tiveram início nesta segunda-feira (15), em Brasília, com a exibição do documentário “Sérgio”. O filme retrata a vida do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que morreu após a explosão de uma bomba na sede das Nações Unidas (ONU), no Iraque, no dia 19 de agosto de 2003.


Na cerimônia de abertura do evento, o Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas no Brasil, Jorge Chediek, lembrou a trajetória de Sérgio Vieira de Mello e sua importante contribuição para o trabalho humanitário mundial. “Este é um dia que deve provocar uma profunda reflexão. É também um momento para homenagear e agradecer a dedicação de todos os que estão envolvidos em causas humanitárias”, disse.


A Subsecretária-Geral de Assuntos Políticos do Itamaraty, embaixadora Vera Lúcia Barrouin Crivano Machado, também destacou a atuação exemplar de Vieira de Mello e o fundamental trabalho prestado pelo Sistema das Nações Unidas em situações de crise como as que estão ocorrendo no Chifre da África, no Sudão e no Haiti. “Queremos registrar aqui nosso apreço pelo trabalho humanitário, que é de risco, feito muitas vezes anonimamente e de grande valia, e também nossa preocupação, pois estamos vendo que as crises muitas vezes não terminam e outras já começam”, afirmou.


O longa-metragem, dirigido por Greg Barker e produzido pela HBO Filmes e Documentários, é uma adaptação da biografia O Homem Que Queria Salvar o Mundo: Uma Biografia de Sérgio Vieira de Mello, que deu a Samantha Power o prêmio Pulitzer. O livro examina a vida e a filosofia que fundamentava o trabalho humanitário do funcionário brasileiro que alcançou o mais alto posto nas Nações Unidas.


Vencedor do prêmio de melhor documentário no Festival de Sundance, em 2009, o filme também rememora os esforços heróicos da equipe de resgate para salvar a vida do diplomata, um dos 22 mortos no ataque à sede da ONU. No Brasil, o filme é inédito nos cinemas, tendo sido exibido apenas no canal a cabo HBO.

Exibição gratuita

O público de Brasília poderá assistir ao filme gratuitamente ao longo de toda a semana no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). As sessões no Cinema do CCBB acontecerão nos seguintes horários: 16/08 (terça-feira) às 15h30; 17/08 (quarta-feira) às 14h30; 18/08 (quinta-feira) às 13h; 19/08 (sexta-feira) às 15h30; 20/08 (sábado) às 15h30 e 21/08 (domingo) às 14h30. Os interessados devem chegar ao local uma hora antes do início da sessão para retirada do ingresso.

No Rio de Janeiro, o filme será exibido na sexta-feira (19), Dia Mundial do Trabalhador Humanitário, às 10h30, no Teatro da Maison de France, precedido de uma cerimônia da qual participarão diversas autoridades.

Postar um comentário