O Ditador Baby Doc regressa ao Haiti e Brasil se mantem calado.


O ditador haitiano Jean Claude Duvalier, que voltou de surpresa no domingo ao Haiti após 25 anos de exílio na França, assumiu o poder com 19 anos e governou de 1971-1986 período em que levou  terror à população.
Duvalier, conhecido como Baby Doc, nasceu em 03 de julho de 1951 em Port-au-Prince. Ele é o filho de François Duvalier, Papa Doc, que governou o país sob um regime ditatorial entre 1957 e 1971 e designou o filho para sucessor antes de morrer
Assim, a 21 de abril de 1971, um dia depois da morte de seu pai, Baby Doc fez o juramento.
Jean Claude, até agora o presidente mais jovem na história, foi responsável por uma regra de mão pesada e, como seu pai, acumulou inúmeras alegações de violação dos direitos humanos e corrupção.
Os governos de ambos os ditadores são responsáveis pelas mortes de milhares de pessoas que se opunham a seu regime, e do desvio de cerca de US $ 100 milhões nos 29 anos que durou, em geral, seus mandatos.
Jean Claude tentou mostrar-se ao público como um retificador de política de terror de seu pai e, para tanto, criou o Corpo de Leopardos, organização supostamente responsável por reduzir o poder autónomo da força policial do regime de seu antecessor, o que a fez quase um grupo paramilitar. No entanto, com o tempo, os Leopardos provaram ter o mesmo objetivo: Manter o terror entre a população.
Em 07 de fevereiro de 1986, após a retirada do apoio político e econômico que o Americanos depositavam no filho Duvalier, como fizeram com seu pai, Jean-Claude foi deposto pelo povo.
O presidente e sua família fugiram para a França, País que vendeu a independência do Haiti. Em 1994, ele teve que deixar sua residência na França, arruinado pela extravagância desenfreada. Eles já tiveram várias residências.
Em Paris, Duvalier foi também processado
por "crimes contra a humanidade."
Durante o século passado, o Haiti ficou sob o controle político efetivo dos U. S. Marines que o invadiram e ficaram desde 1915 a 1934.
Além disso, o governo dos EUA apoiou o golpe militar contra o primeiro presidente democraticamente eleito após a ditadura. Jean-Bertrand Aristide estava tentando fazer reformas democráticas não são desejáveis ao interesse dos investidores dos Americanos.

Incerteza no Haiti
Após 25 anos de exílio, Jean Claude Duvalier chega ao Haiti. Ele vem em meio à incerteza, após a suspensão do segundo turno das Eleições Presidenciais.
Em 1997, o presidente Haitiano, René Préval, advertiu que Duvalier seria preso se voltasse para o Haiti, mas as mesmas Forças de Segurança do Estado têm escoltado o Ditador.
"Nós vimos os funcionários da Polícia Nacional Haitiana escoltar esse personagem", noticiou segunda-feira um jornalista Telesur.
O comunicador disse que a polícia foi responsável pela transferência dele do aeroporto para um hotel de luxo.
Também foram responsáveis "por trancar as portas (...) são responsáveis pela manutenção da ordem e para manter fora a mídia e as câmeras", observou.
A incerteza prevalecente no Haiti, porque as pessoas jamais imaginaram o regresso do Ditador, que era apoiado pelos Estados Unidos.
Em 2005, Duvalier declarou sua intenção de retornar à nação devastada se candidatar a eleições presidenciais de 2006, o Partido de Unidade Nacional e agora ele volta exatamente quando o Haiti passa por uma crise eleitoral.
Espera-se que o Ditador de uma entrevista coletiva para explicar a razão para seu retorno.
teleSUR-Efe-Afp-terrorfileonline/yi-PR-EN
Insulza chegou em silêncio ao Haiti para se reunir com Préval
O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, chegou segunda-feira no Haiti para se reunir com o presidente do país, René Preval, sob o adiamento das eleições e no meio o retorno do ditador Jean Claude Devalia.
Postar um comentário