CRIMEIA VOLTA A FAZER PARTE DA RUSSIA

Crise na Ucrânia
Crimeia integra Rússia

Vladimir Putin assinou com as autoridades da Crimeia e de Sebastopol um acordo para a integração dos territórios na Federação Russa, isto depois de a população da península ter aprovado, domingo, em referendo, a reunificação.
O tratado subscrito anteontem é o passo decisivo na adesão da península e da cidade independentes à Rússia, aprovada, domingo, 16, por 96,7 por cento da população da Crimeia num referendo com uma participação superior a 80 por cento. O resultado foi celebrado na capital da Crimeia, Simferopol, cujo governo autónomo, acto contínuo, aprovou a secessão da Ucrânia e a dissolução da sua autoridade militar e administrativa no território.
A consulta foi considerada ilegal pelas potências e blocos político-militares imperialistas, que, sábado, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, tentaram declarar o sufrágio ilegal, e por estes dias impõem sanções aos dirigente da Rússia e da Crimeia. 
A Rússia vetou a resolução invocando o direito dos povos à autodeterminação e denunciou a hipocrisia «ocidental» sobre a matéria.
No discurso proferido terça-feira, 18, perante os deputados das duas câmaras e os governadores da Federação, Vladimir Putin lembrou precisamente o caso do Kosovo e considerou que numa Ucrânia controlada por neo-nazis, só a Rússia pode defender a Crimeia, um território estratégico e ligado pela maioria do seu povo, pela história e cultura ao país. Putin sublinhou, ainda, que o «ocidente» passou dos limites e que Moscou não se demitirá de defender os seus concidadãos, embora tenha frisado que a Rússia não pretende dividir a Ucrânia.
Esta última advertência visa dar resposta aos que acusam o Kremlin de ter como objetivo anexar o Leste e Sudeste da Ucrânia, onde se registam intensos confrontos entre populares e contingentes de choque nazi-fascistas enviados por Kiev. Os feridos contam-se às dezenas em Karkhov, Donetsk e Lugansk, cidades onde há a lamentar vítimas mortais da violência desencadeada por brigadas do Setor de Direita.
Postar um comentário