DEU NO NEW YORK TIMES: BRASIL É CAMPEÃO!

Brasil, maior potências  da América do Sul 

A República Federativa do Brasil, é o maior país da América do Sul em área e população, com cerca de 200 milhões de pessoas. Durante a última década tornou-se também uma das potências econômicas de mais rápido crescimento.
O sucesso do Brasil é o resultado de uma confluência afortunada de tendências econômicas globais, com países como a China famintos por suas mercadorias, que incluem minério de ferro e soja, para não mencionar o petróleo recentemente encontrados em abundância na costa atlantica.
A surto de fazer negócios e a solidez da moeda do Brasil, o real,tem atraído investidores estrangeiros; banqueiros,administradores de fundos de cobertura e investidores de risco. Os bem educados imigrantes brasileiros estão a regressar ao exterior e alguns grupos de executivos agora rivalizam com os gastos do pessoal de Wall Street.
Ascensão meteórica do país ocorreu sob a liderança tranquila de Luiz Inácio Lula da Silva, um ex-trabalhador de uma fábrica de automóveis, que atuou como presidente do Brasil de 2002 até 2010.
Extremamente popular, o Sr. Da Silva - conhecido como Lula dentro do Brasil - presidiu o país durante um período de significativo crescimento econômico que solidificou o Brasil como o centro de gravidade na América Latina e um "player" cada vez mais importante no mundo.
Lula promoveu este crescimento através da combinação de umsa politica de centro respeitando os mercados financeiros e focalizando em programas sociais que tiraram milhões da pobreza e diminuiram a diferença de renda entre ricos e pobres.
Em outubro de 2011, foi anunciado que o ex-presidente tem câncer na garganta. A divulgação de sua condição veio em um momento quando é ainda admirado como mais altaneiro líder político contemporâneo do Brasil.
Em janeiro de 2011, o Sr. da Silva foi sucedido por Dilma Rousseff, a primeira presidente do país, do sexo feminino. Sua eleição foi vista como uma chancela do povo para continuar as políticas económicas e sociais de seu popular antecessor. Dilma atuou como chefe de gabinete de Lula e foi por ele escolhida a dedo como candidata.
Flexionando cada vez mais seu poder.

Com domínio americano na região e no Brasil retrocedendo cada vez mais, o Brasil flexiona seu poderio político e econômico e recente também a experimenta reações da Direita do Continente contra o seu crescente poder no hemisfério.
Há mais de um século atrás, antes de se tornar uma república, o Brasil era um império com alguns projetos ocasionais nos territórios vizinhos, muitas vezes servindo como um árbitro em disputas na América Latina. O Brasil agora conta com um corpo diplomático sofisticado, aumentando os pagamentos de ajuda estrangeiras e os bolsos fundos do seu banco de desenvolvimento - um gigante financeiro - que supera os empréstimos do Banco Mundial, tornou-se um dos meios principais para o Brasil projetar o seu poder na América Latina e mais além .

Mas os empreendimentos do Brasil estão sendo cumpridos com cautela em vários países da América Latina. Uma proposta para construir uma estrada através das selvas da Guiana para o seu litoral está parada por causa de disputas Politicas locais, que envolvem discussões sobre soberania.
Na Argentina, as autoridades suspenderam um grande projeto de uma empresa de mineração brasileira, acusando-a de não contratar moradores locais suficiente. No Equador construção de usina hidrelétrica levou a batalha jurídica com concorrentes e essa disputa envolveu protestos de índios Ashaninka na Amazônia peruana.

Mas talvez nenhum projeto brasileiro na região provocou tantas disputas como na Bolívia.

O Financiamento pelo Brasil, BNDES - Banco de Desenvolvimento Nacional, para a construção de uma estrada através de um território remoto em terras indígenas bolivianas, provocou revolta de centenas de manifestantes que realizaram uma extenuante marcha de 325 milhas para a região baixa da Bolívia central, La Paz, a capital, negociando com o Presidente da Bolívia, Evo Morales alterações no projeto brasileiro.

Morales, primeiro presidente indígena da Bolívia e um ambientalista jurado, de repente viu-se em desacordo com uma parte importante da sua base política, defendendo um projeto brasileiro que poderia aumentar o desmatamento. Ele finalmente cedeu às exigências dos manifestantes e solicitou revisão da estrada.

O Brasil continua a cultivar uma variedade de planos na Bolívia, incluindo vários projetos hidrelétricos e de uma política ambiciosa antidrogas que envolve a implantação de aviões teleguiados (Drones) na fronteira e projetos de treinar e equipar as forças de segurança bolivianas. 

Colaborou com o Blog: Nucleo do Pt Fortlauderdale - FL
Postar um comentário