Dom Phillips na Bloomberg Press: A prisão do Corleone brasileiro prova que o Brasil esta no caminho certo para acabar com a corrupção

Michael Corleone brasileiro vai dançar
Um novo dia, um novo imundo escândalo brasileiro. Pelo menos, é o que muitos leitores estrangeiros podem estar pensando. Mas o caso de corrupção de Carlinhos Cachoeira se destaca por sua própria escala - e o poder que  aparentemente seus praticadores de conluio exerciam.
Cachoeira - um empresário conhecido na imprensa internacional como "Charlie Waterfall" - está na prisão desde março, acusado de comandar as operações de jogos ilegais e outras infrações. (Ele nega as acusações.). Mas a polícia disse que conversas telefônicas gravadas durante a investigação de jogo ilegal revelaram ligações suspeitas entre Cachoeira e membros do Congresso de vários partidos políticos de Oposição, altos funcionários de governo, governadores estaduais e a empresa de construção da  Delta Construções S A, que desde 2007, ganhou mais contratos do governo do que qualquer outra.
O Parceiro político de Cachoeira, segundo a investigação policial, era um senador da oposição Demóstenes Torres . Um elemento reconhecido, anteriormente, por sua postura anti-corrupção. O Procurador geral do Brasil alega que Torres recebeu cerca de $ 1,7 milhões do grupo Cachoeira para favores políticos - inclusive interferindo com os regulações e investigações em nome de Cachoeira, para dar proteção ao seu negócio de jogo. (Torres também nega todas as acusações.) E a polícia alega igualmente que Delta Construções trabalhou com o grupo de Cachoeira para obter contratos com o governo, e que ambos Cachoeira e Torres foram parceiros silenciosos da empresa. O proprietário da Delta, Fernando Cavendish, se afastou temporariamente como chefe executivo, e a empresa se retirou de dois contratos de grande porte no Rio de Janeiro: a renovação do estádio do Maracanã, onde a final da Copa do Mundo de 2014 será realizada e o projeto de uma rodovia chave. Delta negou envolvimento no escândalo e prometeu cooperar com os investigadores.
Comissão Parlamentar de Inquérito
A Comissão Parlamentar de Inquérito (conhecido como CPI) está investigando o caso.
Um blog por Wellington Froes, um acadêmico jurídico e colunista em Goiás, onde Cachoeira baseou suas operações, ilustrou os sentimentos de muitos quando ele publicou uma charge em que um menino pergunta ao pai: "Quem manda neste país" Seu pai  sem levar os olhos do seu jornal. "Um cara chamado Carlinhos Cachoeira", ele responde.
Nosso Michael Corleone
Letacio Jansen, ex- procurador do estado Rio de Janeiro, descreveu Cachoeira em seu blog como "Nosso Michael Corleone". Ele escreveu:
Carlinhos Cachoeira nasceu, segundo os jornais, em uma família de bicheiros ... Quando ele se tornou um empresário de bingo e, por outro lado, o proprietário de empresas legais (na indústria farmacêutica, entre outros), ele demonstrou sua intenção, num primeiro momento, para desencaixar-se da tradição da família, como famoso personagem de Al Pacino no filme de Coppola. Seu erro foi querer fazer política.
Muitos se apressaram em marcar pontos políticos no episódio. O ex- governador do Estado Rio de Janeiro Anthony Garotinho publicou fotos em seu blog de ​​Cavendish associado com atual governador do estado, Sergio Cabral, e outros funcionários em uma festa em Paris em 2009.
Em uma coluna para o jornal O Globo, Ricardo Noblat reproduziu as fotos e notou que a Delta ganhou cerca de US $775 milhões em contratos com o Estado sob o governo de Cabral: 
Alguns dos contratos foram entregues a Delta sem a empresa, mesmo colocando em licitações. Delta funciona em todos os estados -, mas nenhum se saiu tão bem como no Rio de Janeiro.
Guilherme Fiuza, em uma coluna mordaz para revista Época, liga "Cachoeira'' ao "Caso do Mensalão", de 2005, em que parlamentares foram alegadamente dado pagamentos por votos. Tal escândalo quase derrubou o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Fiuza teve por objetivo Marcio Thomaz Bastos, um ex-ministro da Justiça que agora é advogado de Cachoeira.
EUA A secretária de Estado Hillary Clinton disse recentemente o presidente brasileiro, Dilma Rousseff tinha criado um "padrão global" de transparência e luta contra a corrupção. Mas o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em entrevista na Folha, argumentou que a corrupção e a transparência aumentou sob Rousseff:

"Com o enorme capitalismo  do Brasil e ampla interferência do governo, há oportunidades de negócio e muito mais."

Em outras palavras: mais dinheiro, mais sleaze sistemática. Cardoso poderia ter acrescentado que Corleone, como a corrupção está tão profundamente enraizada na vida política e empresarial brasileira como samba e futebol está em sua vida social. Empresários corruptos só podem expandir sua influência com subornos, desde que há funcionários dispostos a aceitá-los.  Cardoso fala como autoridade na área. O seu partido, o PSDB,  ocupa a 3ª colocação de parlamentares cassados por corrupção desde 2000 segundo dados recentemente divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral. O Brasil tem um longo caminho para a  transparência e luta contra a corrupção.

O Brasil tem muitos problemas crônicos, mas atualmente esta no caminho certo para a transparência e para acabar com a corrupção.



Postar um comentário