CONFIRA O VIDEO QUE OFENDEU O ISLÃ . É UMA PORCARIA FEITA COM INTENÇÕES POLITICAS ANTI-AMERICANAS OU ANTI-MULÇUMANAS?

The Innocence of Muslims”: Blasphemy as a Political Tactic."
A INOCENCIA DE MAOMÉ:
A BLASFEMIA COMO TATICA POLITICA
A circulação na Internet de o trailer de um filme, A inocência dos Muçulmanos (“The Innocence of Muslims” ), provocou manifestações em todo o mundo e resultou na morte do embaixador dos EUA à Líbia em Benghazi e os membros de sua comitiva.

À primeira vista, esses eventos podem ser localizados na linha de tempo que leva de "Versos Satânicos" de Salman Rushdie às queimas do Alcorão pelo pastor Terry Jones. No entanto, este novo ataque difere de outros incidentes em que o filme não foi dirigido a um público ocidental, mas em vez disso foi exclusivamente concebido como um instrumento de provocação dirigida aos muçulmanos. --

Em termos políticos, o caso pode ser analisado a partir de dois ângulos: a partir da perspectiva tática como uma manipulação anti-norteamericana, ou a partir de um ponto de vista estratégico, como um ataque psicológico anti-muçulmano.
O filme foi produzido por um grupo composto por sionistas judeus de dupla nacionalidade israelense-americano e por um copta egípcio. Foi concluído há vários meses, mas foi liberado em um momento calculado para provocar tumultos visando os Estados Unidos.  --  Agentes israelenses foram implantados em várias grandes cidades, com a missão de canalizar a raiva multidão contra alvos americanos ou alvos cópticos (embora não os israelenses). Não surpreendentemente, o seu efeito máximo foi atingido em Benghazi, a capital da região da Líbia Cirenaica.
A população de Benghazi é conhecida por abrigar grupos particularmente reacionários e racistas. É oportuno recordar que na época da caricatura de Maomé, que surgiu em setembro de 2005, os salafistas atacaram o consulado dinamarquês.
De acordo com a Convenção de Viena sobre a diplomacia, o governo líbio de Muammar al-Gaddafi foi obrigado a enviar tropas para proteger o serviço diplomático então sob ataque. A repressão do motim resultou em várias mortes. Posteriormente, o Ocidente, procurando derrubar o regime líbio, financiaram publicações salafistas que acusaram Kadafi de proteger o consulado dinamarquês porque ele tinha alegadamente estado por trás da operação de desenho animado.
Em 15 de fevereiro de 2011, salafistas organizado em Benghazi uma manifestação comemorando o massacre durante a qual tiroteio irrompeu, um incidente que marcou o início da insurreição em Benghazi, que abriu o caminho para a intervenção da NATO.
A polícia líbia prendeu três membros das Forças Especiais italianas que confessaram ter disparado de telhados em ambos os lados, nos manifestantes e na polícia, para criar caos e confusão. Mantidos prisioneiros durante toda a guerra que se seguiu, foram liberados quando a OTAN tomou a capital e os contrabandeou para fora do país, para Malta, em um pequeno barco de pesca em que eu também era um passageiro.
Desta vez, a manipulação da multidão de Benghazi por agentes israelenses tinha como objetivo o assassinato do embaixador dos EUA, um ato de guerra que não se via desde o bombardeio israelense do USS Liberty pela Força Aérea e a Marinha de Israel em 1967. Este constitui o primeiro assassinato de um embaixador na linha de serviço desde 1979. O ato é ainda mais grave considerando que, em um país onde o governo central atual é uma ficção puramente legal, o embaixador dos EUA não era apenas um diplomata, mas estava funcionando como governante, como o de fato chefe de Estado

Deve-se ressaltar que nas últimas semanas, os oficiais mais graduados militares norte-americanos entraram em conflito aberto com o governo israelense.
Eles emitiram declarações dando significado a suas intenções de interromper o ciclo de guerras iniciadas após 11 de setembro (Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria) e que, à luz dos acordos informais de 2001, vai expandir ainda mais (Sudão, Somália e Irã). O tiro de advertência ocorreu pela primeira vez no Afeganistão, em agosto de 2012, quando dois mísseis foram disparados contra o avião estacionado do general Martin Dempsey, chefe do Conselho Conjunto de Chefes de Gabinete. Este segundo aviso acabou sendo ainda mais brutal.
Se, por outro lado, vamos examinar este assunto do ponto de vista da psicologia social, o lançamento do filme e suas conseqüências parecem ser um ataque frontal contra as crenças dos muçulmanos. A este respeito, é de natureza semelhante ao episódio "Pussy Riot" de sacrificarem a liberdade da prática religiosa no interior da Catedral Ortodoxa do Cristo Salvador, em Moscou, e os atos mulitplos de pornografia conceitual do grupo envolvido em seguida. Estas são operações voltadas para violar as sociedades que resistem ao projeto de dominação global.
Nas sociedades democráticas e multicultural, o sagrado é visto como pertencente e se expressa dentro da esfera privada. Mas um novo espaço coletivo de reverência pelo sagrado está em processo de elaboração. Países da Europa Ocidental passaram leis da "Memória Histórica" que transformaram um evento histórico: a destruição dos judeus europeus pelos nazistas, em uma ocorrência religiosa: a "Shoá" na terminologia judaica, ou o "Holocausto", como expressa na linguagem cristã evangélica. Crimes nazistas são, assim, elevado ao nível de um evento único às custas das vítimas de outros massacres, incluindo outras vítimas dos nazistas.
Questionando o dogma, ou seja, essa interpretação religiosa dos fatos históricos, temas para a sanções penais, mas como a blasfêmia foi punido no passado. Da mesma forma, em 2001, os EUA, os membros dos Estados da União Européia e um número de seus aliados impoem por decreto que toda a população nacional deve observar um minuto de silêncio em memória das vítimas do 11 de Setembro.
Esta decisão foi sustentada por uma interpretação ideológica das causas do massacre. Em ambos os casos, tendo sido mortos porque em um caso eram judeus ou, em outro, porque eles eram americanos confere um status especial a essas vítimas a quem o resto da humanidade deve genuflexão.

Durante os Jogos Olímpicos de Londres, tanto os israelense e as delegações americanas tentaram ampliar seu espaço sagrado ainda mais, através da imposição de um minuto de silêncio durante a cerimônia de abertura do evento mais assistido na televisão em todo o mundo, desta vez em nome dos reféns apreendidos durante os Jogos de Munique, em 1972. No final, a proposta foi rejeitada, com o Comitê Olímpico fazendo ao invés uma cerimônia separada. Esta é apenas mais uma indicação do esforço para criar uma liturgia coletiva de legitimação do império global.


A Inocência dos Muçulmanos serve tanto como um dispositivo para levar Washington de volta na linha nesse momento em que ele pode estar se recuando da agenda sionista e como um meio de prosseguir atacando a fé de outros que ainda resistem aos EUA.


Postar um comentário